Efeitos das lectinas na saúde

As lectinas são uma grande classe de proteínas capazes de ligar-se reversivelmente a carboidratos. Estão presentes naturalmente em todos os tipos de organismos, desde vírus, bactérias até alimentos. Em plantas, as lectinas fazem parte da defesa natural contra microorganismos, pragas e insetos.

Cerca de 30% dos alimentos de nossa dieta apresentam lectinas. Grãos e leguminosas são as principais fontes. Batata, tomate, pimentões e beringelas também contém lectinas. Estudos mostram que as lectinas possuem efeitos antimicrobianos, anticancerígenas e de melhoria do sistema imune.

Lectin-Disorders.jpg

Porém, em excesso, podem danificar a parede intestinal, tornando o intestino mais permeável à pedaços de bactérias e outras substâncias que não deveriam ser absorvidas. Com isto, o corpo inflama e o risco de doenças, como problemas na tireóide, diabetes, reumatismo, artrite, nefrite e até infertilidade aumenta.

Algumas lectinas são chamadas de fitohemaglutininas, e são encontradas principalmente em leguminosas. Por exemplo, o feijão cru é a principal fonte, e se consumido sem cozinhar pode provocar envenenamento por lectina, que causa dor abdominal intensa, inchaço, gases, vômitos e diarreia. 

É verdade que, quando consumidas em excesso, as lectinas podem trazer problemas, mas vários alimentos fonte de lectinas são bastante nutritivos, fornecendo fibras, vitaminas, minerais e fitoquímicos diversos. Assim, caso decida excluir alimentos de sua alimentação, converse com um nutricionista para que não faltem na sua dieta compostos importantes à preservação da sua saúde.

O autor Steven R. Gundry, no livro “The Longevity Paradox” (2019), sugere uma redução do consumo de lectinas, principalmente minimizando o consumo de bolos, biscoitos, pizza, pães e outros produtos feitos a partir do trigo. Resumi o livro para você neste vídeo:

Compartilhe e ajude este trabalho a continuar.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Estratégias para aumentar sua longevidade

Screen Shot 2018-12-06 at 2.42.07 PM.png

Uma pessoa longeva ou que tem longevidade é aquela que viveu mais do que a média das pessoas de um local. No Brasil, a expectativa de vida é de 76,2 anos. No Japão, país mais longevo do mundo, a expectativa de vida é de 87 anos.

A pessoa mais velha do mundo foi Jeanne Calment, que faleceu em 1997, aos 122 anos. Talvez você não viva tanto, mas não há porque você viver menos do que seu potencial genético.

Além da genética, o estilo de vida influencia muito a forma e a quantidade de tempo que passamos na terra. Para ser longevo as principais estratégias são:

- Manter-se ativo. Pesquisas indicam que exercícios moderados, quando praticados regularmente, podem realmente retardar o envelhecimento.

- Consumir frutas e verduras diariamente. O consumo de vegetais é fundamental para a preservação do material genético intacto. A dieta baseada em vegetais é mais ricas em fibras, vitaminas, minerais e fitoquímicos protetores.

- Dormir bem e administrar seu estresse. Quando não descansamos os níveis de cortisol sobrem. Quando este hormônio eleva-se excessivamente a performance cognitiva cai e estruturas relacionadas à memória, como o hipocampo, atrofiam-se mais rapidamente (Lavretsky & Newhouse, 2012).

- Cultivar bons relacionamentos. Passar tempo com pessoas queridas aumenta a longevidade pois diminui o estresse e os comportamentos de risco.

Talvez você já esteja careca de saber tudo isso. Algo que não é tão divulgado é a importância das proteínas de choque térmico (heat shock proteins) para a longevidade. No vídeo de hoje explico como estimular estas proteínas protetoras e aumentar a longevidade:

Obrigada por compartilhar!
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/