Jejum intermitente melhora o funcionamento do cérebro

Existem substâncias boas para o cérebro. Existem substâncias ruins para o cérebro. Um cérebro sobrecarregado com radicais livres derivados da oxidação (quebra e perda de elétrons) dos alimentos pode aumentar o risco de doença de Alzheimer, Parkinson e Lou Gehrig.

Uma nova publicação de estudo de cientistas de Harvard mostrou que o exercício vigoroso, associado ao jejum de 12 horas aumentaram significativamente os níveis de cAMP, um gatilho químico que induzir o processo celular de eliminação de toxinas. Contudo, estes efeitos duram apenas algumas horas (VerPlank et al., 2019).

O jejum é um desafio para o cérebro, que ativa respostas adaptativas que o ajudam a lidar com as toxinas que ali chegam. Falo mais sobre o tema no resumo do livro “Genius Foods”:

Compartilhe e ajude este trabalho a continuar.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/