Pré-eclâmpsia, eclâmpsia e deficiência de magnésio

A pré-eclâmpsia e a eclâmpsia são complicações graves, que podem após 20a semana de gravidez. A pré-eclâmpsia caracteriza-se por um quadro de hipertensão arterial, perda de proteína pela urina, inchaço no rosto ou mãos. A causa mais frequente são os problemas no desenvolvimento dos vasos da placenta. Vários fatores de risco para o problema foram identificados:

– Gravidez em mulheres com idade superior a 40 anos ou inferior a 18 anos;
– História familiar de pré-eclâmpsia;
– Pré-eclâmpsia em uma gestação anterior;
– Gravidez múltipla (gêmeos, trigêmeos, etc.);
– Mulheres previamente hipertensas (hipertensão crônica);
– Obesidade;
– Diabetes mellitus;
– Doença renal crônica;
– Doenças autoimunes;
– Deficiência de magnésio.

Pregnant_mother_blood_pressure_reading_original.jpg

A pré-eclâmpsia é responsável no mundo por mais de 50 mil mortes maternas por ano. O grau mais grave é a eclâmpsia, frequentemente acompanhada de convulsão. O tratamento é o uso do sulfato de magnésio para estabilização do quadro, seguido da indução do parto. O uso do magnésio reduz a mortalidade. A terapia com magnésio também é indicada para mulheres com pré-eclâmpsia, pois diminui a incidência de eclâmpsia.

O acompanhamento pré-natal com obstetra é fundamental para garantia de uma gravidez mais segura, com menores riscos para a mãe e para o bebê. O acompanhamento nutricional também é muito importante já que a gestação provoca muitas modificações fisiológicas, aumentando a necessidade de vários nutrientes para o adequado crescimento e desenvolvimento fetal. Saiba mais sobre o tema:

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/
Tags