O consumo de tâmaras parece facilitar o trabalho de parto

aaaaaaabig-703x422.jpg

Cada região do mundo possui uma vegetação típica. As tâmaras (Phoenix dactylifera), por exemplo, são originárias do Golfo Pérsico. Existem evidências arqueológicas de cultivo no leste da Arábia em 4.000 a.C. Atualmente, as tamareiras são encontradas na Riviera Francesa, no sul da Itália, Sicília e Grécia, nas Ilhas de Cabo Verde, Iraque, Argélia, Marrocos, Tunísia, Egito, Sudão, Arábia e Irã, no noroeste da Índia, nas Filipinas, Austrália e até no nordeste da Argentina e do Brasil.

Um estudo científico avaliou o consumo de tâmaras por mulheres ao final do período gestacional. Na Jordânia 69 mulheres que consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data estimada do parto foram comparadas com 45 gestantes que não consumiram tâmaras no mesmo período. Foi observado que as mulheres que consumiram as tâmaras tiveram maior dilatação cervical (o que facilita a passagem do bebê) e uma proporção significativamente maior de membranas intactas. O trabalho de parto espontâneo ocorreu em 96% das mulheres que consumiram datas, em comparação com 79% das mulheres que não fizeram o uso da fruta.

O tempo de trabalho de parto foi também menor nas mulheres que consumiram as tâmaras em comparação com as que não as consumiram. Os autores concluíram que as tâmaras reduzem a necessidade de indução do parto e produz resultados mais favoráveis. Os resultados justificam estudos com maior número de mulheres e em outras partes do mundo.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!
Tags