A influência de diferentes partes do cérebro no consumo alimentar

Partes diferentes do cérebro focam nas coisas à sua própria maneira. Por exemplo, o córtex pré-frontal está constantemente trabalhando, pensando na melhor forma de fazermos as coisas, tentando prever o que irá acontecer a seguir, decidindo o que é bom e o que é ruim para nós.

Já o sistema límbico, uma parte muito antiga do nosso cérebro e engloba, foca nos sentimentos e sensações. É ele que percebe se estamos tristes, cansados, alegres, famintos, saciados ou com sede. O problema é que o córtex pré-frontal não para. Tenta chamar nossa atenção o tempo todo. Enquanto isso, deixamos de pensar atenção ao nosso mundo interno. É por isso, que muita gente tem tanta dificuldade de saber o que está sentindo. É por isso que muita gente só consegue parar quando tem um ataque cardíaco. Este, claro, não aconteceu de uma hora para outra, mas é comum ignorarmos os sinais de alerta do corpo.

Por exemplo, seu sistema límbico diz: “Estou com fome. Vá até a cozinha”. Enquanto isso seu córtex pré-frontal, que tudo anaisa diz: “Você não deveria, precisa emagrecer”. Sem ouvir o corpo é comum as pessoas não comerem mesmo com fome. Ao mesmo tempo, ficar com fome é desagradável e, quando a compulsão bate, é comum a comilança exagerada, mesmo sem fome. Cultivando a conexão com nosso mundo interior, podemos começar a entrar em contato com sensações e emoções, sem a narração problematizadora e analítica do córtex pré-frontal.

O livro o poder do agora fala da importância desta conexão com o momento presente. Fiz um resumo para você:

O yoga possui técnicas como respiratórios e meditação que facilitam nossa conexão com o aqui e agora. Aprenda mais nos cursos online:

Gostou? Por favor, compartilhe.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Jejum intermitente melhora o funcionamento do cérebro

Existem substâncias boas para o cérebro. Existem substâncias ruins para o cérebro. Um cérebro sobrecarregado com radicais livres derivados da oxidação (quebra e perda de elétrons) dos alimentos pode aumentar o risco de doença de Alzheimer, Parkinson e Lou Gehrig.

Uma nova publicação de estudo de cientistas de Harvard mostrou que o exercício vigoroso, associado ao jejum de 12 horas aumentaram significativamente os níveis de cAMP, um gatilho químico que induzir o processo celular de eliminação de toxinas. Contudo, estes efeitos duram apenas algumas horas (VerPlank et al., 2019).

O jejum é um desafio para o cérebro, que ativa respostas adaptativas que o ajudam a lidar com as toxinas que ali chegam. Falo mais sobre o tema no resumo do livro “Genius Foods”:

Compartilhe e ajude este trabalho a continuar.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Efeitos das lectinas na saúde

As lectinas são uma grande classe de proteínas capazes de ligar-se reversivelmente a carboidratos. Estão presentes naturalmente em todos os tipos de organismos, desde vírus, bactérias até alimentos. Em plantas, as lectinas fazem parte da defesa natural contra microorganismos, pragas e insetos.

Cerca de 30% dos alimentos de nossa dieta apresentam lectinas. Grãos e leguminosas são as principais fontes. Batata, tomate, pimentões e beringelas também contém lectinas. Estudos mostram que as lectinas possuem efeitos antimicrobianos, anticancerígenas e de melhoria do sistema imune.

Lectin-Disorders.jpg

Porém, em excesso, podem danificar a parede intestinal, tornando o intestino mais permeável à pedaços de bactérias e outras substâncias que não deveriam ser absorvidas. Com isto, o corpo inflama e o risco de doenças, como problemas na tireóide, diabetes, reumatismo, artrite, nefrite e até infertilidade aumenta.

Algumas lectinas são chamadas de fitohemaglutininas, e são encontradas principalmente em leguminosas. Por exemplo, o feijão cru é a principal fonte, e se consumido sem cozinhar pode provocar envenenamento por lectina, que causa dor abdominal intensa, inchaço, gases, vômitos e diarreia. 

É verdade que, quando consumidas em excesso, as lectinas podem trazer problemas, mas vários alimentos fonte de lectinas são bastante nutritivos, fornecendo fibras, vitaminas, minerais e fitoquímicos diversos. Assim, caso decida excluir alimentos de sua alimentação, converse com um nutricionista para que não faltem na sua dieta compostos importantes à preservação da sua saúde.

O autor Steven R. Gundry, no livro “The Longevity Paradox” (2019), sugere uma redução do consumo de lectinas, principalmente minimizando o consumo de bolos, biscoitos, pizza, pães e outros produtos feitos a partir do trigo. Resumi o livro para você neste vídeo:

Compartilhe e ajude este trabalho a continuar.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Coaching de emagrecimento e grupo de emagrecimento online

Na maior parte dos países industrializados, mais de 50% da população encontra-se acima do peso. Por que é tão difícil manter a forma? Por que a vida acontece. Trabalho, estudo, familia, vida social. Temos muitas atividades e nem sempre conseguimos colocar a saúde como prioridade. Por isso, informação e estímulo são tão importantes.

Em meu blog você encontra mais de 100 textos sobre emagrecimento saudável. Mas, falar de dieta não é suficiente. Nosso lado racional pode desejar emagrecer para melhorar a saúde, reduzir dores, aumentar a autoestima etc.

Por outro lado, a comida é muito mais do que nutrição. É prazer, é conforto. Se começamos a restringir demais podemos acabar desenvolvendo compulsão alimentar. Em vídeos do youtube discuti as causas da compulsão alimentar algumas vezes. 

what-you-need-to-know-about-binge-eating-disorder.jpg

Meu nome é Andreia Torres, sou nutricionista formada pela Universidade de Brasília em 1997. Fiz mestrado em nutrição humana (obesidade), doutorado no instituto de psicologia clínica e cultura e pós-doutorado em saúde coletiva. Também sou especialista em práticas integrativas, coaching e yoga e integro em meu trabalho o que há de melhor nestas áreas para auxiliar meus clientes a emagrecerem. Não dá para falar só de receita saudável (falaremos sobre isso também, claro). Mas precisamos aprofundar. Precisamos discutir as causas da compulsão, as emoções, a rotina, as metas, a saúde como um todo. Faço isso de duas formas: consultoria individual ou grupos online.

No grupo online você terá, a partir de janeiro/2019, diariamente acesso a um novo material com dicas, receitas, vídeos motivacionais e/ou estratégias para um 2019 mais saudável. E claro, caso deseje descontinuar o processo poderá sair do grupo a qualquer momento. Sem precisar dar nenhuma justificativa.

Alguns tópicos abordados no grupo:

  • Insulina e emagrecimento

  • Atividade física e emagrecimento

  • Yoga e meditação para o emagrecimento

  • Estratégias para reduzir a compulsão alimentar

  • Coaching para mudança

  • Técnicas motivacionais

  • Deficiências nutricionais e ganho de peso

  • Disbiose intestinal e obesidade

  • Tratamento da inflamação

  • Problemas estéticos

  • Técnicos de neurofeedback

  • Reprogramação emocional

  • Autoestima e emagrecimento

  • Receitas fáceis e saudáveis

Ao inscrever-se você receberá (por email) acesso ao link para entrar no grupo. Receberá de segunda a sexta materiais em áudio, vídeo ou receitas saudáveis. Não perca essa oportunidade. Minha consulta individual custa R$ 300,00/mês (mínimo de 3 meses de acompanhamento) mas o grupo possui o valor especial de apenas R$ 100,00/mês e você pode cancelar a qualquer momento.

Prefere ser atendido individualmente?

Para quem não deseja o apoio de grupos, o trabalho pode ser feito individualmente. Como?

  • Você terá 3 sessões individuais comigo (1 por mês, online);

  • Caso deseje, receberá um plano alimentar personalizado;

  • Se forem identificadas carências nutricionais receberá a prescrição individualizada de suplementos alimentares.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/