Regressão em adolescentes com síndrome de Down

Um número crescente de relatos clínicos tem mostrado regressão inesperada em adolescentes e adultos com síndrome de Down (SD). A regressão pode envolver alterações no funcionamento cognitivo e adaptativo, na função motora, nas habilidades de comunicação ou no comportamento.

Os pais devem observar modificações relacionadas ao comprometimento cognitivo-executivo, assim como maior retraimento social, perda de linguagem funcional e de habilidades adaptativas previamente adquiridas. Em geral, caracteriza-se a regressão quando as alterações possuem duração superior a 3 meses (Chicoine & Capone, 2018).

1-s2.0-S0891584918323256-fx1.jpg

Um dos fatores responsáveis pela regressão pode ser a neuroinflamação gerada pelo acúmulo de metais pesados no tecido nervoso. O cérebro de pessoas com síndrome de Down é mais vulnerável ao estresse oxidativo, a carências nutricionais e à intoxicação por metais pesados. Em camundongos Ts1Cje, usado como modelo genético para o estudo da SD, há maior acúmulo de cobre no hipocampo e no córtex cerebral. O cobre aumenta a quantidade de radicais livres circulando no cérebro, oxida lipídios e aumenta o acúmulo de de emaranhados de proteína tau, envolvida em alterações comportamentais e no aumento do risco da doença de Alzheimer.

O cobre é importante para o cérebro mas deve estar dentro das células. Em pessoas com Alzheimer o equilíbrio do cobre parece estar comprometido, com excesso de cobre no amilóide (Bush, 2013). Discuto muitas questões relacionadas à suplementação de compostos específicos no curso online. Saiba mais aqui.

Compartilhe e ajude este trabalho a continuar.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Mercúrio e autismo: qual é a relação?

Observa-se no autismo uma maior inflamação cerebral a qual pode gerar danos neuronais. Muitos pesquisadores avaliam quais fatores geram maior neuroinflamação e comprometimento do funcionamento cerebral. Dentre os fatores ambientais suspeitos estão: chumbo, metil mercúrio, bisfenol, pesticidas organofosfatados, pesticidas organoclorados, disruptores endócrinos, fumaça de veículos automotivos, hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, éteres e compostos perfluorados.

Em revisão publicada por Kern e colaboradores (2016)  74% dos 91 estudos avaliados mostraram um relacionamento entre o mercúrio e o autismo. Isto acontece pois o mercúrio gera ativação autoimune, estresse oxidativo e neuroinflamação, que por sua vez conduzem a danos no cérebro e perda de conexões entre neurônios. Parece que quanto maior é a quantidade de mercúrio circulante maior é a severidade dos sintomas observados.

Traduzido por Andreia Torres. Fonte:  Kern et al., 2016

Traduzido por Andreia Torres. Fonte: Kern et al., 2016

Zinco, manganês, cobre e ferro e uma microbiota saudável ajudam a reduzir a absorção de mercúrio. Por isto, a suplementação de micronutrientes e probióticos é muitas vezes indicada para reduzir a absorção do mercúrio que, se conseguir alcançar a corrente sanguínea e os tecidos, pode levar entre 2 e 12 meses para ser completamente eliminado (Dórea et al., 2011). Vitamina E, selênio e o aminoácido cisteína reduzem a toxicidade do mercúrio e o ácido lipóico estimula o fígado a eliminar o mercúrio.

Obviamente a nutrição sozinha não é capaz de resolver todos as alterações observadas em indivíduos no espectro do autismo. De toda forma, reduzir a ativação autoimune, a produção de radicais livres e a neuroinflamação faz parte do tratamento e a alimentação adequada, associada à suplementação de nutrientes chave tem sua grande importância neste sentido.

Aprenda mais no curso online: http://andreiatorres.com.br/curso/nutricao-e-suplementacao-no-autismo

Deixe seu comentário.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Como reduzir o arsênico do arroz?

O arsênico é um metal pesado presente no solo, ar e água poluídos, e em agrotóxicos. A ingestão excessiva pode gerar a longo prazo problemas de saúde incluindo certos tipos de câncer, doenças cardíacas, diabetes, além de afetar negativamente a função cerebral. Piora da memória,  dificuldade de concentração, aprendizagem e redução da competência social podem ser consequência da intoxicação por arsênico. Arroz, peixes de água salgado, frango, cerveja e vinho estão entre os alimentos com maior teor de arsênico. Neste vídeo discuto estratégias para reduzir o teor de arsênico do arroz. 

Para não perder nenhuma notícia assine a newsletter, preenchendo o formulário à direita.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Quanto tempo o mercúrio leva para sair do corpo?

O mercúrio é um metal prateado e líquido a temperatura ambiente. Empregado na medicina desde a antiguidade, inclusive em vacinas, vem sofrendo substituição por outras substâncias mais potentes e menos tóxicas.

Intoxicação por Mercúrio

Uma vez absorvido, o mercúrio passa ao sangue e às células podendo interferir no metabolismo pela sua capacidade de inativar enzimas. Os sintomas da intoxicação incluem coloração acizentada na boca e faringe, dor intensa, vômitos, sangramento nas gengivas, sabor metálico na boca, ardência no aparelho digestivo, diarréia grave ou sanguinolenta, estomatite, glossite, nefrose, problemas hepáticos graves, transtornos nervosos, caquexia, anemia, hipertensão, possibilidade de alteração cromossômica.

Fontes de contaminação

- Liberação constante pela crosta terrestre e exposição ambiental
- Alimentos expostos a fungicidas (metilmercúrio) e inseticidas
- Lodo de esgoto para fertilização – 80% se mantém por 25 anos no solo
- Peixes contaminados (> fonte de mercúrio da dieta - metil-mercúrio com 85% de absorção)
- Tatuagens vermelhas
- Vacinas com o conservante timerosal
- Amálgamas dentários (50% mercúrio elementar)
- Antissépticos a base de mercurio

Prevenção da intoxicação:

- Evite peixes e frutos do mar grandes como tubarão, peixe espada, cavala, filé de atum, arenque e cação);
- Converse com seu dentista sobre a possibilidade de substituição das amálgamas de mercúrio pelas de cerâmica;
- Prefira alimentos orgânicos.

Quanto tempo o mercúrio leva para sair do corpo?

O mercúrio pode levar um tempo para sair do corpo. Um estudo mostrou que mulheres que consumiam peixes regularmente passavam quantidades substanciais de mercúrio aos bebês pelo leite materno. E que o mercúrio pode levar entre 2 e 12 meses para ser completamente eliminado do corpo, após a exclusão de peixes da dieta da mãe (Dórea et al., 2011).

O fígado é o principal responsável pelos processos de destoxificação e para que os mesmos ocorram com eficiência um bom estado nutricional é fundamental. A figura a seguir mostra nutrientes importantes às fases 1 e 2 que ocorrem no fígado para a eliminação de toxinas do corpo.

Screen Shot 2017-04-03 at 7.27.37 PM.png
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/