Resistência à insulina & fibromialgia

Um artigo publicado na revista científica PLOS One sugere uma relação patogênica entre a resistência à insulina e a fibromialgia. A doença caracteriza-se por dores generalizadas, sem causas claras e com poucas opções eficazes para o tratamento. Dependendo dos níveis de dor, pessoas com fibromialgia podem sentir-se incapacitadas ou deprimidas.

O estudo mostrou uma alta associação entre fibromialgia e resistência à insulina (medida pela hemoglobina glicada - HbA1c) e que medicamentos como metformina, melhoram simultaneamente a sensibilidade à insulina e os sintomas da fibromialgia. Caso a relação entre resistência à insulina & fibromialgia seja comprovada veremos mais estudos com dietas com baixo percentual de carboidrato como opção terapêutica para a doença. Para os que desejam testar a dieta cetogênica, disponibilizo o link de desconto para o curso online.

Outra estratégia para alívio dos sintomas é a prática de yoga. Esta prática integrativa alivia a ansiedade e o estresse, além de trabalhar o corpo de forma harmônica. Um estudo preliminar da York University, em Toronto, avaliou 22 mulheres com fibromialgia, que fizeram aula de yoga duas vezes por semana durante dois meses. Como grupo, as pacientes relataram diminuição da dor, maior aceitação da doença e maior sensação de amparo (Curtis et al., 2011). Bene

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Intervenções nutricionais na fibromialgia

A fibromialgia (FM) é uma doença crônica não degenerativa, que afeta principalmente mulheres. Os principais sintomas são a dor e fadiga crônica. As pacientes também podem apresentar síndrome do intestino irritável, sono pouco restaurador, rigidez matinal, depressão e ansiedade.

Os sintomas da FM parecem estar associados a várias alterações metabólicas, como disbiose intestinal, alterações no eixo hipotalâmico, aumento do cortisol, disfunção mitocondrial, estresse oxidativo, ativação, no sistema nervoso central, de células gliais no líquido cefalorraquidiano.

A terapia médica convencional inclui o uso de analgésicos, relaxantes musculares, drogas antiinflamatórias não-esteroidais e antidepressivos. Contudo, os medicamentos raramente resolvem completamente os sintomas. Por isso, os pacientes são estimulados a adotarem uma dieta antiinflamatória, praticarem atividade física moderada, yoga e aderirem a práticas meditativas.

A terapia nutricional tem como objetivos reduzir a fadiga, melhorar a qualidade do sono, contribuir para o tratamento da depressão e ansiedade, proporcionar qualidade de vida, reduzir sintomas gastrintestinais e controlar a inflamação. Pacientes com FM frequentemente relatam intolerâncias alimentares específicas. Por isso, a dieta adota deve ser antiinflamatória e, de forma geral, exclui alimentos ultraprocessados, glúten, laticínios, álcool, histaminas, glutamato, cafeína e FODMAPs.

Revisão sistemática mostrou que a dieta hipocalórica (quando o paciente está acima do peso), vegetariana e pobre em FODMAPs pode melhorar a dor e a repercussão funcional em pacientes com fibromialgia (Silva et al., 2019). Entretanto, o componente psicossomático da doença deve ser levado em consideração. Por isto, o tratamento é sempre multiprofissional.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Tratamento nutricional da fibromialgia, doença que fez a cantora Lady Gaga cancelar sua participação no Rock in Rio

Lady Gaga

Lady Gaga

A cantora Lady Gaga cancelou sua apresentação no Rock in Rio, devido às dores intensas causadas pela fibromialgia. Esta doença crônica gera também rigidez muscular, fadiga, sensibilidade na pele, dores de cabeça, insônia, problemas na memória, dores estomacais e inchaço.

Como a doença está relacionada à maior inflamação, inclusive do cérebro, a dieta antiinflamatória e um estilo de vida saudável fazem parte do tratamento. Além disso, antidepressivos e analgésicos podem ser necessários.

Não existe um exame laboratorial capaz de detectar a doença. O diagnóstico médico é em geral feito por um reumatologista que avalia a presença de dores em vários pontos do corpo. Parece que o estresse oxidativo aumentado agrava as dores. A produção excessiva de radicais livres como radicais superóxido elevam a geração de citocinas inflamatórias incluindo TNF-α e IL-1β. A carência de zinco, selênio, ferro e manganês agrava o problema visto que estes minerais são fundamentais para a produção de enzimas antioxidantes.

Estudos mostram que pacientes com fibromialgia também podem ter deficiência de aminoácidos de cadeira ramificada (leucina, isoleucina e valina), assim como de triptofano. Em uma recente revisão também foi demonstrado que deve-se atentar aos níveis de magnésio, L-carnitina e S-adenosilmetionina, nutrientes importantes para redução da inflamação e geração de energia na célula. Por fim, a sensibilidade ao glúten também parece aumentar as manifestações dolorosas nos pacientes com fibromialgia. Por isto, uma dieta livre de trigo, cevada e centeio é preconizada (Rossi et al., 2015).

Yoga, meditação e massagens ayurvédicas com óleo de gergelim também contribuem para a redução da dor (Carson et al., 2010; Hennard, 2011Meneguzzi et al.., 2011). O curso online de terapias integrativas e complementares com ênfase em yoga, meditação e ayurveda está com inscrições abertas. Saiba mais aqui: http://andreiatorres.com.br/curso/yoga

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Ayurveda no tratamento da dor crônica

Você tem dor no pescoço, nas costas ou nos ombros? Sofre de fibromialgia, enxaqueca, artrose ou lesão por esforço repetitivo? A dor crônica é uma condição comum entre adultos. Afeta o humor, perturba o sono, reduz a qualidade de vida. E, apesar dos medicamentos modernos, pesquisa nos Estados Unidos mostrou que 78% dos usuários de antiinflamatórios e analgésicos. 

Alguns hábitos, tensionamento dos músculos, respiração "rasa" ou incompleta, supressão ds emoções, dieta inflamatória, consumo excessivo de cafeína e desidratação agravam a dor. Por isto, o Ayurveda, medicina tradicional da Índia, recomenda a combinação de terapias que incluem exercícios respiratórios, práticas de ásanas (posturas físicas), técnicas de relaxamento e meditação, além da alimentação saudável para o acolhimento da dor.

Uma forma de tirar o foco da dor é por meio do exercício escaneo corporal (baixa aqui). Deite-se no chão e preste atenção à gravação, levando sua atenção a cada parte de seu corpo. Este é um exercício de 40 minutos mas mesmo 10 minutos de relaxamento sistemático em shavásana (postura do cadáver) já mostra-se eficiente na redução de espasmos musculares, tensão e ansiedade.

Na tradição ayurvédica a massagem regular com óleos também é muito recomendada. Massagens aliviam a rigidez articular e muscular, melhora a circulação, mobiliza toxinas e relaxa o corpo.

Outra recomendação é a prática de ásanas, posturas específicas do yoga. O ideal é que os ásanas sejam praticados de forma gentil, para não agravar os sintomas.  Práticas de 15 minutos, pela manhã ou à noite, já fazem muita diferença.  

Estudos mostram que os óleos essenciais de alecrim e tomilho aumentam o fluxo de sangue para os músculos, relaxando-os. Já hortelã reduz a dor. Coloque algumas gotas em um difusor de aromaterapia, na água quente da banheira ou em seu óleo de massagem. Caso, decida utilizar óleos essenciais direto na pele, teste antes em uma pequena área.

A natureza também oferece condimentos com propriedades calmantes e analgésicas. O açafrão e o gengibre ajudam a reduzir a dor inflamatória, enquanto a valeriana, o kava kava, a camomila e o maracujá ajudam a combater a dor relacionada à tensão. E uma vez que a dor crônica é muitas vezes uma combinação de inflamação e tensão, essas ervas são frequentemente combinadas. 

Saiba mais no curso online

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/