Afinal, o leite é inflamatório ou não?

04-ff-milk_100-ab.jpg

"Andreia, um dia o nutricionista diz que leite é inflamatório. Aí você liga a TV e assiste outro profissional dizendo que isto é mentira. E agora?". Perdi a conta de quantas vezes me mandaram perguntas similares a essa. Então vamos lá:

É bom lembrar que um alimento que faz bem a uma pessoa não necessariamente fará bem ao vizinho. Existem pessoas que comem pão francês todo dia e está tudo certo. Já outra pessoa come um pedacinho do mesmo pão e depois passa 5 dias com inchaço abdominal, sem conseguir evacuar. Tem gente que come várias bananas ao dia e não observa nada de diferente. Mas outros morrem de dor de estômago se comerem apenas uma unidade. E o mesmo acontece com o leite!

Artigo publicado em 2017 por Alessandra Bordoni e colaboradores discute a questão muito bem. Os pesquisadores lembram que grande parte das doenças inflamatórias crônicas (incluindo diabetes, obesidade, artrite reumatóide, Alzheimer) são influenciadas pela dieta. A inflamação após o consumo de certos alimentos faz parte da resposta normal ao estresse.

Os laticínios são um grupo particularmente interessante no contexto da inflamação. Todos os mamíferos recebem leite de suas mães ao nascer e possuem mecanismos para lidar com este alimento. Contudo, o leite produzido por seres humanos é diferente daquele produzido por vacas, ovelhas, búfalas, cadelas, éguas... Na pesquisa publicada no Critical Reviews in Food Science and Nutrition os autores apresentam evidências de que as pessoas que conseguem lidar com estas diferenças não se inflamarão. Já quem não conseguir lidar com as diferentes proteínas e compostos presentes nos leites de outras espécies se inflamará em grande medida.

Fora isso, o leite de vaca industrializado passa por várias transformações. Apesar do Brasil ter alcançado um lugar de destaque entre os principais produtores de leite do mundo um problema persiste: a baixa qualidade do produto. Cerca de metade das vacas apresenta infecção mamária (ESALQ/USP, 2016). Fora isso, existem os resíduos de hormônios e antibióticos encontrados nos produtos de origem animal, e a adulteração com formol, álcool etílico, água oxigenada, soda cáustica infelizmente é mais comum do que se imagina no leite longa vida (UHT, aquele de caixinha) do Brasil. 

A opção é sua. Afinal, nenhum nutricionista, nutrólogo, coach conhece melhor seu corpo do que você mesmo. Hoje é páscoa e tem gente que vai se empanturrar de chocolate e bacalhau com creme de leite. Pra alguns não haverá maiores consequências. Outros terão uma semana difícil, inflamada, com sintomas variáveis como dores de cabeça, tontura, insônia, dores, coceiras, tosse, rouquidão, náuseas, diarreia ou prisão de ventre, gases, azia, cansaço, apatia, vermelhidão na pele... É bom lembrar que quem sente-se assim tem maiores chances de desenvolver problemas de saúde a médio e longo prazo. O que você escolhe?

Saiba mais sobre o leite clicando:

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!