O arroz é o culpado?

De acordo com reportagem publicada hoje no jornal Expresso de Guayaquil, o arroz é o principal responsável pelo excesso de peso no Ecuador. Os dados são provenientes do ultimo inquérito realizado no país (Encuesta Nacional de Salud y Educación) afirmam que este alimento contribui com cerca de 33% das calorias consumidas diariamente. O arroz branco é fonte de carboidratos simples e de alto índice glicêmico, estimulando grande secreção de insulina e estoque de energia na forma de gordura. De fato, este alimento é bastante popular no país e suas porções, em todos os pratos que pedimos até então nessa viagem, são exageradas. Contudo, observo que o consumo de doces por aqui é enorme. Nos shoppings e nas ruas existe uma quantidade enorme de sorveterias e confeitarias, sempre cheias.

A obesidade possui causas multifatoriais e o consumo de carboidratos simples é um fator importante associado a esta síndrome. A reportagem finaliza destacando que consumir menos arroz é fundamental. Tudo bem, concordo. Mas ainda acho que a oferta exagerada de alimentos industrializados e ricos em açúcar é o maior problema não só no Ecuador, mas em todo o mundo.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!
Tags

Horchata

De férias no Equador, conheci logo no primeiro dia a horchata, uma bebida de cor rosa brilhante feita com uma mistura de várias ervas e flores. Destacam-se entres as ervas a camomila, o hortelã, a erva-cidreira e o capim-limão. Algumas das flores que podem fazer parte da composição da bebida estão o gerânio rosa, pequenas rosas, violetas, begônias, cravos, fuschias e malva.

O mix de horchata pode incluir também outras ervas avermelhadas que dão a cor à bebida. Não existem proporções fixas para os ingredientes da bebida, por isto, o sabor e a coloração podem variar. No hotel a bebida já estava adoçada mas me disseram que é fácil encontrar os mixes de ervas frescas ou secas para o preparo. Com certeza levarei para o Brasil. Deliciosa e saudável. PS: não confundir com a Horchata da Espanha, bebida feita com leite de arroz e canela.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!

Suplementação para diminuição da dor muscular

A dor muscular causada pela atividade física intensa é sintoma comum em decorrência de rupturas na membrana, seguida de infiltração de células infamatórias no tecido lesionado e aumento da produção de citocinas pró-inflamatórias. A dor pode diminuir o rendimento e força por até 3 semanas, em alguns indivíduos.

A suplementação de proteínas, HMB, BCAA e glutamina são estratégias muito utilizadas para diminuir a lesão e a perda de massa muscular. Porém, conforme a intensidade do exercício aumenta a inflamação torna-se maior, assim como a dor. Por isto, estes suplementos costumam não fazer o efeito esperado. A solução proposta por pesquisadores japoneses é a combinação de aminoácidos que melhorarão a recuperação, com substâncias antiinflamatórias, que atuarão principalmente na diminuição da dor. Em artigo de Ra e colaboradores, publicado este ano, a suplementação de 3,2g BCAA (aminoácidos de cadeia ramificada) foi utilizada antes e depois do exercício, em combinação com 2g do aminoácido taurina, que comprovadamente possui efeitos antiinflamatórios. No grupo suplementado a inflamação e a dor foram consideravelmente menores.

Outros estudos precisarão ser realizados afim de averiguar se a inibição do processo inflamatório terá algum efeito negativo no ganho de massa muscular. Este assunto é controverso uma vez que algumas pesquisas mostram que a hipertrofia ocorre justamente com o reparo dos danos à fibra muscular (Radak, Chung e Goto, 2008). Por outro lado, Flann e colaboradores (2011) conseguiram demonstrar ganho de massa magra em indivíduos que não tiveram rupturas musculares detectáveis em biópsia. Para os mesmos o que promove a hipertrofia é o estímulo do hormônio IGF-1Ea e não necessariamente a lesão nas membranas de miofibrilas.

Saiba mais no curso online: "Nutrição no ganho de massa magra"

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!

Como lidar com a dor nas mamas no período pré menstrual?

A mastalgia cíclica é uma queixa comum nos consultórios de mastologistas, ginecologistas e nutricionistas. A elevação dos hormônios estrogênio, prolactina, estradiol e do neurotransmissor serotonina estão implicados na dor que ocorre principalmente na fase lútea do ciclo menstrual.

As mastalgias cíclicas podem ser classificadas em: leves (não interferem na qualidade de vida), moderadas (interferem na qualidade de vida, mas não nas atividades habituais), intensas (interferem nas atividades diárias e na qualidade de vida e atingem 11 a 15% das mulheres).

O uso de sutiãs esportivos, com maior sustentação e a adoção de dietas antiinflamatórias aumentam o conforto neste período. A suplementação de ácido gamalinolênico (GLA) também demonstra-se eficiente. A deficiência deste ácido graxo aumenta a produção de substâncias inflamatórias, associadas à dor.  De acordo com Nunes, Gomes e Sousa (2012), a recomendação para resolução do problema é de  180 mg de GLA ao dia por um período inicial de 4 a 6 meses. Os efeitos colaterais são raros e, quando ocorrem, são em forma de diarreia e/ou indisposição gástrica, os quais melhoram com a suspensão da substância. Os óleos de prímula e borragem são fontes naturais de GLA.

Está precisando de ajuda? Marque uma sessão de coaching enviando uma mensagem! 

 

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!