Depressão aumenta número de infartos do miocárdio

A psiconeuroendocrinoimunologia (PNI) estuda as interações entre o comportamento e os sistemas nervoso, endócrino e imunológico. Os estudos da PNI incorporam conhecimentos advindos de várias áreas: psicologia, neurociência, imunologia, fisiologia, genética, farmacologia, biologia molecular, psiquiatria, medicina comportamental, doenças infecciosas, endocrinologia e reumatologia.

Estuda os mecanismos pelos quais o corpo lida com o estresse físico, mental e emocional. Estuda por que algumas pessoas passam por traumas de forma mais resiliente, sem desenvolver doenças físicas nem mentais. Outras pessoas, não adaptam-se bem ao estresse e tentam regular o corpo comendo demais, fumando, bebendo, endividando-se com as compras exageradas no shopping.

homer-vitruviano.png

O estresse é um gatilho para várias doenças neurológicas e físicas. Aumenta o risco de obesidade, transtornos do humor, doença bipolar, problemas digestivos e cardíacos. Precisamos pensar o ser humano de forma integral. O cérebro é o centro do nosso comportamento, coordena emoções, sentimentos, o sistema imune. O cérebro reage ao meio ambiente a partir da nossa herança genética, enfrentando ou não aos estresses da vida, mantendo-se equilibrado ou não, desenvolvendo ou não doenças.

A depressão aumenta a morbimortalidade. Não só aumenta a inciência de suicídio, como gera também uma cascata inflamatória e hormonal, com aumento do cortisol, piora da resistência à insulina e da dislipidemia. A tristeza é apenas um dos sintomas da síndrome depressiva. Muitas pessoas criticam o uso de antidepressivos mas o fato é que muitos pacientes não conseguem melhorar sem eles. E o pior: a depressão, quando não tratada, aumenta o risco de infarto do miocárdio, em homens e mulheres.

Claro, o tratamento da depressão requer uma abordagem multidisciplinar, atividade física, suplementação de nutrientes chave, psicoterapia, meditação, yoga. Mas a depressão é, em geral, importantíssima também. Só um bom psiquiatra conseguirá avaliar adequadamente a necessidade e custo-benefício da medicação, para cada caso. Procure ajuda sempre que precisar. Aprenda mais nos textos anteriores:

Compartilhe e ajude este trabalho a continuar.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/
Tags