Vamos parar de falar sobre a aparência (a nossa e a dos outros)

Recentemente escrevi sobre o bullying e o caso da Demi Lovato (leia aqui). A bulimia não é o único transtorno alimentar muito influenciado por experiências dolorosas do passado. Muitas lembranças influenciam nossos comportamentos atuais, de forma consciente ou inconsciente.

A vergonha em relação ao corpo nasce de comparações e do bullying. Mesmo que eventos ruins tenham acontecido na infância, sentimentos negativos a ele associados e uma baixa autoestima podem perdurar por anos ou décadas. 

Memórias de críticas em relação ao corpo podem se alojar profundamente. O trauma vivenciado pode ficar se repetindo na forma de flashbacks, gerando ansiedade e dor constante, mesmo que de baixa intensidade. O constrangimento torna a pessoa vulnerável ao uso de alimentos como forma de relaxamento, distração ou entorpecimento da dor. Com isso, o desenvolvimento da compulsão alimentar fica mais fácil (Duarte, & Pinto-Gouveia, 2017).  

A melhor maneira de vencer os efeitos persistentes da vergonha do corpo é confrontar as memórias, falar sobre elas e libertá-las. Outra também pode se defender em voz alta contra os insultos. Eles aconteceram no passado? Tudo bem, fale em voz alta agora, defenda-se! Permita-se sentir raiva e medo, mas canalize as emoções empoderando-se agora. Se precisar, busque ajuda profissional para treinar sua autoestima.

Pessoas com transtornos alimentares também precisam encontrar práticas que as ajudem a sair do isolamento. A voz do transtorno alimentar é cruel. É uma voz que repete-se, dizendo que você não é bom suficiente.  A prática estruturada de yoga ajuda a manter tais pensamentos longe. Ajuda também a reduzir a ansiedade e isto é muito importante já que os distúrbios alimentares têm a mais alta taxa de mortalidade entre as doenças mentais. 

Um transtorno alimentar é sobre a comida, mas não é só sobre comida, já que afeta mente, corpo e espírito. O yoga reconecta estas partes. Também une pessoas que comprometidas com o autoestudo, com a cura. É uma comunidade que nos lembra que já somos suficientes, que nos jogam para frente. Uma comunidade que não comenta sobre o corpo das mulheres. Lembre que o corpo saudável de uma mulher tem gordura sim! Ela nos protege e mantém nossa temperatura corporal, colabora com a produção hormonal e de vitamina D, transporta as vitaminas A,D,E e K, lubrifica os tecidos, mantém o cabelo brilhante e o intestino funcionando bem.

Nos acostumamos tanto a criticar que ninguém sente-se suficiente, não importando se é alto, baixo, magro, gordo, branco, negro, jovem, velho. Criamos uma sociedade triste, medrosa, limitada. Precisamos perceber nossa força interior, nosso poder, nossa divindade, que está muito além da aparência.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/