Indivíduos com síndrome de Down podem comer brócolis?

Screen Shot 2019-08-22 at 11.04.03 AM.png

Alguns profissionais recomendam que crianças com síndrome de Down abstenham-se do consumo de brássicas, grupo de hortaliças que incluem brócolis, couve, couve-flor, couve-de-bruxelas, nabo, rabanete, rúcula e agrião. Outros, principalmente imunologistas e geneticistas, já não costumam compartilhar da mesma visão.

Por que essa discrepância nas condutas? Pela visão acerca da causa do problema. O hipotireoidismo na síndrome de Down dificilmente será causado pelo alimento. Pode ser congênito (nasce com o bebê) ou adquirido. Mutações genéticas (Hermanns et al., 2014) aumentam a incidência de hipotireoidismo em pessoas com SD em 28 vezes em relação a pessoas típicas (Cebeci, Güven & Yildiz, 2013).

A glândula tireóide é responsável pela produção dos hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina), que regulam o metabolismo, processos químicos e físicos no organismo. Estima-se que entre 30 e 40% das pessoas com síndrome de Down desenvolvam hipotireoidismo, com baixa produção dos hormônios da tireóide. Tanto a doença de Graves quanto a tireoidite de Hashimoto são mais comuns neste grupo, pela desregulação do sistema imune.

Existem pelo menos 10 genes localizados no cromossomo 21 responsáveis pela regulação do sistema imune. O mais importante é o FOXP3 e sua desregulação está associada às doenças autoimunes. O gene AIRE também localizado no cromossomo 21 está pouco expresso na síndrome de Down, o que também aumenta o risco de problemas autoimunes relacionados à tireóide (Aversa et al., 2015).

O hipotireoidismo pode se desenvolver em qualquer fase da vida trazendo consigo sintomas como cansaço, intolerância ao frio, pele seca, áspera ou fria, prisão de ventre, sonolência, apatia, aumento de peso e rouquidão na voz. O diagnóstico definitivo vem com a análise periódica dos níveis sanguíneos dos hormônios T3, T4 e TSH. Comprovado o diagnóstico, o tratamento baseia-se na reposição hormonal durante toda a vida.

O uso de determinados medicamentos (carbonato de lítio, amiodarona, propiltiouracil e metimazol), erros inatos da síntese de hormônios tireoidianos, deficiências hipofisárias e hipotalâmicas, resistência periférica aos hormônios tireoidianos e doenças congênita também aumentam o risco de hipotireoidismo.

broccoli-juice-recipes-1.jpg

A tireóide também é afetada por metais pesados (alumínio, chumbo, mercúrio, arsênico, cádmio), pelo glúten, soja, além dos glicosinolatos e isotiocianatos das brássicas, os quais podem interferir no uso do iodo pela glândula. Mas, um estudo de 2019 comparou mulheres adultas que tomaram diariamente, por 12 semanas, suco feito de broto de brócolis (40 µmol de sulforafano e 600 µmol do precursor glucorafanin) com as que não consumiram o suco e não encontrou nenhuma diferença. no funcionamento da tireóide (avaliado pela dosagem de TSH, T4 livre, tireoglobulinas e anticorpos anti-TG e anti-TPO). Desta forma, os autores consideraram o uso de brássicas seguro para pessoas típicas (Chartoumpekis et al., 2019).

Em geral, vegetais crucíferos só desencadeiam hipotireoidismo quando são consumidos em alta quantidade e ainda há carência de iodo na dieta (Fenwick, Heaney e Mullin, 1983). Os minerais iodo, zinco e selênio são  fundamentais para a produção de hormônios da tireóide na forma ativa. O equilíbrio entre a quantidade de iodo e a quantidade de isotiocianatos das brássicas determina em parte a quantidade de hormônios que serão produzidos.

E na SD? Como a causa exata do hipotireoidismo em cada pessoa com síndrome de Down é desconhecida (Cebeci e Yildiz, 2013), alguns médicos preferem excluir o brócolis e outros vegetais do grupo das brássicas da dieta. Porém, não existem estudos que mostrem a efetividade da prática. Existem crianças com SD que nunca comeram brócolis e desenvolveram hipotireoidismo. E outras que comeram e não desenvolveram. Assim como existem crianças que comeram e desenvolveram. Ou seja, os fatores genéticos parecem muito mais importantes do que o consumo de brássicas, leguminosas (como soja) ou tubérculos.

Por quê eu não concordo com a exclusão completa destes alimentos? (Fique a vontade para ter outra opinião!).

- Estudo de Masci e colaboradores (2015) mostrou que sucos de brássicas protegem as células contra a toxicidade do peptídeo beta amilóide, responsável pela doença de Alzheimer. Este ao meu ver é um problema muito maior na vida de indivíduos com síndrome de Down do que o hipotireoidismo. Veja bem, não estou dizendo que o hipotireoidismo não seja problema. É sim! Depois dos problemas cardiovasculares e da demência é uma das principais causas de óbito (Yang, Rasmussen & Friedman, 2002). Os valores plasmáticos dos hormônios tireoidianos devem ser acompanhados anualmente mas sem descuidarmos de outros aspectos da saúde.

5b9e11163c00004c000a6354.jpeg

- As brássicas fornecem vitaminas, minerais, fibras e os tais glicosinolatos, agentes eficientes no reparo celular, reduzindo o risco de câncer, doenças cardiovasculares e inflamatórias. 

- As brássicas são uma fonte adicional de colina,  nutriente fundamental para a melhoria do funcionamento cerebral, da atenção, da cognição espacial, além de prevenir o declínio da memória. A colina também ajuda a retardar o Alzheimer, estimulando a formação de novos neurônios. A gema de ovo é bastante rica em colina. Dentre os alimentos de origem vegetal destacam-se o brócolis e a couve-flor. Mulheres devem aumentar o consumo de colina especialmente se estiverem grávidas ou amamentando criança com síndrome de Down (Moon et al., 2010Velazquez et al., 2013).

- Crianças com síndrome de Down acompanhadas de autismo também parecem se beneficiar do consumo de sulforafano, presente no brócolis. Após 18 semanas de uso, as interações sociais e comunicação verbal melhoram (Singh et al., 2014).

- Alimentos ricos em enxofre (brócoli, couve, repolho, couve-flor, agrião) aumentam a produção de glutationa, um importante antioxidante. Na síndrome de Down é comum a redução da glutationa. Como resultado pode haver maior quantidade de radicais livres circulantes, o que leva a maior prejuízo cognitivo e motor, envelhecimento precoce, aumento do risco de Alzheimer e redução da longevidade.

Dicas importantes:

- Ofertar boas fontes de zinco. Este mineral é co-fator da enzima Desiodase tipo 2, que converte o hormônio T4 (inativo) em T3 (forma ativa). O zinco também faz parte dos receptores para o T3. Destacam-se como boas fontes os frutos do mar, ovos caipiras, sementes (girassol, linhaça, ect), aveia, amendoim, amêndoas, avelã, castanhas e lentilha.

- Incluir fontes de selênio na dieta. Este mineral é co-fator da enzimas Desiodase tipo 1, igualmente importante para a ativação do hormônio T3. Castanha do Brasil (Pará), semente de girassol e alho cru são boas fontes de selênio.

- Inclua diariamente fontes de iodo, que podem vir do sal iodado, de algas e frutos do mar. Suplementos para crianças com síndrome de Down já possuem iodo (iodine), zinco e selênio na composição.

- Alimentos que contém cianetos (brócolis, couve de bruxelas, mandioca, rabanete) não devem ser consumidos em excesso. Contudo também não se deve eliminá-los totalmente pois seus compostos contribuem para a prevenção do Alzheimer e de vários tipos de câncer. Para minimizar o efeito dos cianetos oferte todos os alimentos deste grupo cozidos.

- Evite o consumo excessivo de cloro, pois ele também está relacionado com o bloqueio de iodo na tireóide. Utilize água filtrada ou mineral e evite o uso do adoçante sucralose.

- Caso o hormônio da tireóide já esteja sendo usado, evite alimentos que contenham soja por pelo menos 4 horas após a ingestão do hormônio sintético para não prejudicar sua absorção. Além do grão de soja e derivados como leite de soja e tofu, muitos alimentos industrializados contém proteína de soja na composição como peito de peru, salsicha ou são feitos com farinha de soja. Fique atento às embalagens.

PS: No próprio site do CEPEC, coordenado pelo dr. Zan as brássicas aparecem entre as hortaliças indicadas: http://www.sindromededown.com.br/?page_id=192

Discuto muitas questões relacionadas à suplementação de compostos específicos no curso online. Saiba mais aqui.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Importância da vitamina B9 na gestação - dosagens e opções

Muitos nutrientes são importantes na gestação. Um dos mais estudados é a vitamina B9. Com duas semanas de gestação, período que muitas vezes a mulher nem sabe que está grávida, se inicia o desenvolvimento do tubo neural que dará origem ao cérebro e medula espinhal do bebê. O ácido fólico é a vitamina que ajuda a formação correta desse tubo, evitando problemas como a hidrocefalia e a espinha bífida. Por isso, mulheres em idade fértil devem consumir alimentos ricos em B9 e fazer acompanhamento nutricional caso desejem engravidar ou já estejam grávidas.

Compartilhe conhecimento.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Diagnóstico do diabetes gestacional

O diabetes mellitus gestacional (DMG) é uma das complicações metabólicas mais comuns durante a gravidez. Durante a gestação, a demanda por insulina é aumentada devido à resistência progressiva à insulina para assegurar o crescimento e desenvolvimento fetal adequado. Infelizmente, a incidência de diabetes gestacional vem aumentando desde a década de 1990, muito em função da obesidade, inflamação corporal, consumo de alimentos ultraprocessados e carências nutricionais. O tratamento do diabetes gestacional é diferente dos outros tipos de diabetes uma vez que alguns medicamentos podem ser prejudiciais ao feto em crescimento. Além disso, a perda de peso não é recomendada durante a gestação (Simmons, 2019).

Quanto pior a qualidade da dieta maior o risco de diabetes na gravidez (Looman et al., 2019). Para reduzir as chances de diabetes gestacional, recomenda-se que as mulheres que desejem engravidar adotem a dieta baseada em plantas ou a dieta mediterrânea. Pistaches e azeite, fontes de gorduras monoinsaturadas parecem contribuir para a redução do risco. Cuidar do intestino também é importante. A disbiose intestinal aumenta o risco de diabetes gestacional, principalmente devido à inflamação.

O bebê precisa de glicose para seu crescimento e metabolismo energético. Assim, o consumo de carboidratos é importante. O importante é que a qualidade destes carboidratos sea boa. A mulher deve evitar açúcar e produtos ultraprocessados, dando preferência ao carboidrato de frutas, verduras, leguminosas, tubérculos. A glicose chegará ao feto facilmente. Por isso, é normal que a glicemia materna baixe. Assim, os parâmetros diagnósticos de diabetes em gestantes são diferentes daqueles adotados para a população em geral.

Diagnóstico do diabetes gestacional

Na primeira visita pré-natal todas as grávidas deverão ser submetidas ao exame de glicemia plasmática em jejum (8 a 12 horas). Um valor igual ou superior a 92 mg/dl (5,1 mmol/l) mas inferior a 126 mg/ dl (7,0 mmol/l) faz o diagnóstico de diabetes gestacional. Grávidas com valores de glicemia plasmática em jejum igual ou superior a 126 mg/dl (7,0 mmol/l) ou com um valor de glicemia plasmática ocasional superior a 200 mg/dl (11,1 mmol/l), se confirmado com um valor em jejum superior ou igual a 126 mg/dl, devem ser consideradas como tendo o diagnóstico de Diabetes Mellitus na Gravidez.

Em 2013 a Organização Mundial de Saúde passou a considerar a Diabetes Gestacional um subtipo de hiperglicemia diagnosticada pela primeira vez na gravidez em curso, diferenciando-se da Diabetes na Gravidez por apresentar valores glicêmicos intermédios entre os níveis que considera normais na gravidez e valores que excedem os limites diagnósticos para a população não grávida (Consenso “Diabetes Gestacional”, 2017).

Screen Shot 2019-08-21 at 10.18.16 PM.png

Caso o valor da glicemia seja inferior a 92 mg/dl, a grávida deve ser reavaliada entre as 24 e 28 semanas de gestação com um teste de tolerância oral com 75 g de glicose. O teste deve ser efetuado de manhã, após um jejum de pelo menos 8 horas, mas não superior a 12 horas. Deve ser precedido, nos 3 dias anteriores de uma atividade física regular e de uma dieta não restritiva contendo uma quantidade de hidratos de carbono de pelo menos 150 g. O teste consiste na ingestão de uma solução contendo 75 g de glicose diluída em 250-300 ml de água. São necessárias colheitas de sangue para determinação da glicemia plasmática às 0, 1h e 2h. Durante o teste a grávida deve manter-se em repouso.

Screen Shot 2019-08-21 at 10.26.33 PM.png

Um valor igual ou superior às glicemias expostas no quadro 1 é suficiente para o diagnóstico de Hiperglicemia na Gravidez. O teste de tolerância oral à glicose não deve ser feito com mulheres que fizeram cirurgia bariátrica porque a alteração da absorção não permite validar os resultados obtidos após a sobrecarga de glicose. Neste caso, outros métodos são utilizados.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Dieta, funcionamento intestinal e esclerose múltipla

A esclerose múltipla (EM) é uma doença degenerativa, desmielinizante crônica, de natureza inflamatória e auto-imune, que afeta adultos jovens, especialmente mulheres. Observa-se nos pacientes afetados a inflamação do cérebro e medula espinhal com infiltração de linfócitos que geram danos na mielina e nos axônios. Disbiose intestinal e carência de vitaminas lipossolúveis, especialmente A, E e D podem estar envolvidos na gênese da inflamação.

Existem também outras causas para o aparecimento da doença como infecções virais, intoxicação por metais pesados, poluição ambiental, excesso de peso na infância e adolescência, sedentarismo e dieta rica em gordura animal e/ou açúcar. A distribuição geográfica da EM é mais comum em países ocidentais, menos expostos à luz solar (onde é maior carência a de vitamina D) e em pessoas com dieta rica em alimentos processados e ultraprocessados.

O funcionamento intestinal também deve ser observado. Quanto mais pobre a dieta estiver em fibras e em alimentos fermentados (kefir, kombucha, iogurte natural, coalhada, pickles), maior o risco de disbiose intestinal e inflamação crônica. Como intestino e cérebro comunicam-se quando o intestino inflama, o cérebro também sofre.

Os alimentos fornecem mais do que calorias. Contém substâncias capazes de ativar ou inibir receptores nucleares, fatores de transcrição ou enzimas, que, por sua vez, regulam a expressão de genes específicos e, assim, impulsionam reações metabólicas. Dietas pró-inflamatórias são, em geral, hipercalóricas, ricas em gordura saturada e açúcar, carboidratos refinados, alimentos fritos ou processados, sal e bebidas açucaradas. Costuma ter também muita proteína animal e pouca fibra, favorecendo o ganho de peso, a hiperinsulinemia, a inflamação, a disbiose intestinal e o aparecimento de doenças crônicas.

Revisão de 32 estudos mostrou que a diminuição de gordura saturada, açúcar, leite e glúten beneficia os pacientes. Por outro lado, a alimentação baseada em vegetais ou vegetariana tem efeito contrário se for adequada em termos de calorias e rica em alimentos in natura e minimamente processados (Beckett et al., 2019).

Trate também o intestino. A disbiose intestinal e a inflamação de baixo grau são gatilhos para a neuroinflamação. Mudanças na dieta aumentam lipopolissacarídeos bacterianso (LPS), a produção de substâncias inflamatórias (como IL-6, IL-1β e fator de necrose tumoral-α) e aumentam a permeabilidade da barreira intestinal. O rompimento da barreira intestinal permite a passagem de LPS, peptídeos, proteínas e bactérias para a circulação, quebra da barreira hematoencefálica, ativação da micróglia e astrócitos. Com isso, a inflamação perpetua-se, em todo o corpo, nos nervos, no cérebro.

Tratamento

Resumindo, o primeiro passo é aumentar o consumo de vegetais (frutas, verduras, leguminosas, castanhas, aveia, quinoa, cogumelos), por serem fontes de fibras, alimentando as bactérias boas. Estas podem ser obtidas de alimentos fermentados como kefir, kombucha, iogurte natural, pickles).

O segundo passo é reduzir o que inflama o intestino e o cérebro:

  • Ácidos graxos saturados, presentes predominantemente em alimentos de origem animal (manteiga, leite integral, queijo, carne, salsichas);

  • Ácidos graxos trans, presentes principalmente em alimentos processados e ultraprocessados (margarina, carnes processadas, salgadinhos, batatas fritas e outros alimentos fritos e tipo fast food) - interferem no metabolismo dos ácidos graxos insaturados;

  • Carne vermelha - rica em ferro e compostos nitrosos, que aumentam a inflamação,

  • Açúcar, cereais refinados, bebidas açucaradas - aumentam a secreção de insulina e a inflamação pós-prandial (que ocorre logo após a alimentação);

Dentre as substâncias antiinflamatórias que contribuem para o tratamento da EM estâo os ácidos graxos do tipo ômega-3 (peixes, linhaça, chia), vitaminas (A, D, PP, C, E, carotenóides), minerais (selênio, zinco, magnésio), compostos tiólicos (ácido lipóico, N-acetil-cisteína), polifenóis - flavonóides (quercetina, catequinas…) e não flavonóides (resveratrol, curcumina, hidroxitirosol…) - probióticos e prebióticos. Nossa saúde e a de pacientes com EM depende de escolhas alimentares adequadas e de suplementação bem ajustada às fases da vida (Riccio e Rossano, 2017).

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/