Vinho tinto faz tão bem assim?

Red-Wine-Basics-700x461.jpg

Você bebe com a desculpa de que o vinho é bom para o coração? Muitas pessoas fazem isso influenciadas por estudos da década de 1980 que discutiam o paradoxo francês. O termo diz respeito à noção de que o povo francês, apesar de grande comedor de queijos amarelos e gordurosos, possuiria menores taxas de doenças cardíacas em relação a outros povos, devido ao consumo de vinho tinto nas refeições.

A teoria ajudou as pesquisas na descoberta de compostos vegetais benéficos conhecidos como polifenóis. Dentre eles estão o resveratrol, composto antioxidante que dá a cor roxa às uvas. 

No entanto, de acordo com o cientista de Harvard Dr. Kenneth Mukamal, a evidência de que beber vinho tinto ajudaria a evitar doenças cardíacas é bastante fraca. Isto porque toda a pesquisa publicada até então mostrando que as pessoas que bebem quantidades moderadas de álcool têm taxas mais baixas de doença cardíaca é observacional. Tais estudos não podem provar causa e efeito, apenas associações. Afinal, ainda hoje, os efeitos do álcool sobre a saúde não foram testados em estudos aleatorizados e de longo prazo.

Perguntas a serem respondidas incluem: será que pessoas que consomem vinho tinto também consomem mais frutas ou verduras ou peixes ricos em ômega-3 do que pessoas que tomam outros tipos de bebida alcoólica (como vinho, vodka ou whisky)? Além disso, isso é verdadeiro para todas as populações ou somente para franceses? Se saudável, que quantidade teria efeitos positivos na saúde? E o efeito, deve-se mesmo ao resveratrol?

Italianos também tomam muito vinho tinto, mas a doença cardiovascular na Itália não associa-se aos níveis de resveratrol circulante. Já estudos de pessoas que não bebem mas tomam capsulas de resveratrol não mostram os mesmos efeitos (Semba et al., 2014). Então o benefício seria o etanol (o álcool?) ou mesmo outro polifenol?

Os japoneses, por exemplo, não tem o costume de tomar vinho, mas tem taxas de doenças cardiovasculares baixas também em relação a outros países (como Estados Unidos e Brasil). Que outros fatores genéticos e ambientais estariam envolvidos?

Assim, se você gosta de vinho tinto aprecie mas não abuse. O consumo moderado - definido como uma dose (150 ml) por dia para mulheres saudáveis duas doses por dia (300 ml) para homens saudáveis ostuma ser considerado seguro. Mesmo assim, há que se considerar a individualidade e as vulnerabilidades genéticas e bioquímicas.

Além disso, idosos devem limitar o consumo de álcool a não mais que uma dose ao dia pois os processos de destoxificação tornam-se menos eficientes com o passar dos anos, aumentando o risco de problemas hepáticos, renais, neurológicos e inflamatórios.

Gostou? Por favor, compartilhe.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/
Tags

Vinho ajuda a dormir melhor

wine_clash.jpg

Esse é o tipo de notícia que todo mundo gosta: uma taça de vinho seco (150 mL) no jantar pode reduzir os níveis de glicose e gorduras circulantes, contribuindo para a prevenção da resistência à insulina e doenças cardiovasculares. 

Estudo, iniciado em 2009, com 224 pacientes mostrou que o mesmo vale até para pacientes com diabetes controlado.  A investigadora principal, dra. Dr Iris Shai lembra que estudos de longa duração e com número maior de participantes ainda são necessários para a confirmação dos resultados em diabéticos. 

A pesquisa também mostrou que polimorfismos também influenciam os resultados, precisando ser melhor investigados. No caso, portadores do alelo ADH1B*1, em pessoas que metabolizam mais lentamente o álcool apresentaram melhores resultados de glicemia e hemoglobina glicada, com as doses baixas de álcool do estudo.  

Não foram observadas alterações significativas na pressão sanguínea, função hepática, adiposidade, sintomas adversos entre o grupo que ingeriu álcool em relação ao grupo que não ingeriu a bebida.  De quebra, os pacientes que consumiram o vinho dormiram melhor (P=0.04).

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/
Tags

Turismo em vinícolas: um novo campo de pesquisa

O turismo em rotas vinícolas é uma importante fonte de renda de países como França, ItáliaPortugal, Austrália, Espanha e Estados Unidos. O mesmo vem acontecendo também em países em desenvolvimento, como RomêniaChile, África do Sul. Acompanhando este crescimento observa-se um novo campo de pesquisa: "wine tourism", ou turismo dos vinhos, em vinícolas ou em rotas de vinhos. A satisfação do turista com a viagem possui grande associação com a qualidade do vinho e da comida local (Amaral et al., 2016).

O turismo de vinhos no Brasil ainda é modesto. Para crescer deve seguir as fórmulas de sucesso adotadas nos países citados: fornecer produtos com excelente qualidade, melhorar a prestação de serviços e proporcionar a visita a paisagens cinematográficas (Carlsen & Boksberger, 2013).

 

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Características do vinho do Porto

Estive em um congresso na linda cidade do Porto, em Portugal. Famosa por suas lindas paisagens, seu clima ameno e sua segurança, a cidade foi eleita pela segunda vez o melhor destino turístico da Europa. A cidade também é famosa pelo vinho do Porto, bebida adocicada feita de uvas e outras bebidas. Mas como surgiu esta delícia?

No século 17, a Europa estava em guerra e a França decidiu parar de exportar vinho para a Inglaterra e Holanda. Estes países, viram-se então obrigados a buscar bons vinhos em outras regiões.  Descobriram o vale do Douro,  uma vasta área no norte de Portugal que se estende entre a cidade do Porto e a fronteira leste do país. Contudo, na época a viagem era extremamente longa e demorada, fazendo com que os vinhos muitas vezes estragassem antes de atingir o destino final. A solução foi buscar uma fórmula mais estável e que permitisse que Portugal continuasse exportando seu vinho. A estabilização foi conseguida com a adição de aguardente ao vinho, pois a bebida matam leveduras que fermentam as uvas. A adição de aguardente faz com que o vinho do Porto tenha um teor maior de álcool (cerca de 20%) em relação aos vinhos tradicionais (13%). A interrupção do processo de fermentação deixa traços de açúcar na bebida, deixando um sabor adocicado no vinho do Porto. Por isto, costuma ser servido após jantares, como sobremesa.

Como o vinho tinto, as uvas utilizadas para fazer o vinho do Porto são ricas em resveratrol, flavonóides, vitaminas e minerais. O resveratrol é capaz de ativar a proteína SIRT1 no corpo humano aumentando a longevidade. Contudo, a bebida não deve ser consumida em excesso em virtude da alta concentração de álcool e açúcares. E se você não pode ou não gosta de vinhos também poderá obter o resveratrol das cascas de uvas roxas, dos amendoins, das frutas vermelhas e de suplementos. 

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/
Tags