Crianças podem tomar suplementos?

A venda de suplementos para crianças e adolescentes vem aumentando. Além disso, muitos jovens fazem uso dos mesmos suplementos dos pais, incluindo fitoterápicos. Contudo, a prática não é necessariamente saudável. As necessidades das crianças e adolescentes são diferentes das dos adultos. A capacidade de destoxificação também. Muitos compostos não foram testados com jovens e muitos estudos apresentam falhas metodológicas.

O fato de um produto estar na prateleira de uma loja de suplementos não garante sua segurança para o público infantil. Produtos importados também são um problema. Pesquisa recente mostrou que 51% dos suplementos analisados nos Estados Unidos continham substâncias não listadas no rótulo.

Isto não significa que os suplementos são sempre ruins. Atendo crianças com alergias graves, que precisam fazer dietas de rotação restritivas. Nestes casos, suplementos, calculados individualmente e manipulados em farmácias idôneas, em fórmulas sem corantes e conservantes audam a manter o estado nutricional. O mesmo acontece com crianças com disfunções sensoriais e alta recusa alimentar e com crianças com síndromes que geram má absorção ou grande perda de nutrientes.

O importante é que, antes de aderir à suplementação, as alternativas sejam conversadas com o médico e o nutricionista que acompanham o caso.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/
Tags

Sangue na fralda de bebês indica alergia ao leite de vaca

Fissuras são feridas, rachaduras ou cortes na pele que reveste o ânus. Podem ser geradas por traumas que ocorrem ao evacuar fezes muito endurecidas. A dor pode ser intensa, agravando-se durante a defecação. Pode haver também sangramento.

As alergias alimentares afetam entre 7 a 8% das crianças, sendo a Alergia à Proteína do Leite de Vaca (PLV) a mais comuns. Os sintomas podem incluir diarreia, náuseas, vômitos, cólicas, baixo ganho de peso, placas vermelhas na pele (urticária) inchaço nos lábios ou olhos, chiado no peito e irritabilidade intensa. Outro problema é o sangramento retal, principalmente nos 3 primeiros meses de vida. O sangramento também pode ser ocultado nas fezes, ficando imperceptível a olho nu.

A primeira opção de substituição do leite de vaca costuma ser o leite de soja. Contudo, este também possui alto poder alergênico. Entre 30 a 60% dos bebês que possuem alergia à PLV também possuem alergia à soja.

Vale enfatizar que lactentes em aleitamento materno exclusivo também podem apresentar sintomas similares porque o leite de vaca e outras proteínas da dieta podem estar presentes na composição do leite materno. A realização de retoscopia com a obtenção de fragmentos retais para análise são extremamente úteis para o estabelecimento do diagnóstico de inflamação retal induzida por proteínas da dieta.

Crianças sem o tratamento adequado podem desenvolver fissura anal, que dependendo da gravidade, pode requerer tratamento cirúrgico. Mesmo assim, antes de optar por cirurgia o ideal é excluir proteínas alergênicas da dieta do bebê e, caso a mãe esteja amamentando, excluir leite, queijo, iogurte, requeijão e tudo o que houver leite de sua dieta.

Compartilhe nas suas redes sociais.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Coaching integrativo para crianças e adolescentes

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Por que ensinar as crianças a meditar?

Vivemos apressados e as crianças também. Sofrem com a superestimulação, tornando-se mais agitadas, ansiosas, irritadas. O estresse dificulta a concentração e diminui a autoestima. Neste vídeo falo sobre benefícios menos abordados da meditação para crianças.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/