Flúor - mocinho ou bandido? (e como interpretar seu exame)

Refrigerantes, energéticos e o alto consumo de alimentos ácidos (como suco de limão), vinho, doces alteram o pH da boca e permitem a erosão dos dentes pelas bactérias que estão ali presentes. Para preservar os dentes as consultas periódicas com os dentistas é fundamental para a remoção das placas bacterianas.

Além disso, como medida de saúde pública, o governo brasileiro adotou na década de 1970 a fluoretação da água, já que o flúor inibe as enzimas que produzem bactérias orais produtoras de ácido. A maioria das pastas de dentes também contém flúor e é frequente a fluoretação em consultórios dentários, com o objetivo de fortalecer o esmalte dentário e prevenir cárie. O problema é que altas quantidades de flúor ou fluoreto geram problemas de saúde como problemas esqueléticos, calcificação de tendões e ligamentos e deformidades ósseas.

São características da fluorose (excesso de flúor): manchas brancas nos dentes, deformidades ósseas ou articulares, rigidez nas articulações, dores de cabeça, dores de estômago, fraqueza muscular, danos ao sistema nervoso. A fluorose é endêmica em 25 países do mundo. Nestes casos, água fluoretada e pasta de dentes com flúor não é indicada. O acompanhamento com dentista, escovação adequada com uso de pastas sem flúor, redução do consumo de alimentos menos acidificantes é fundamental.

Unicef_fl_map.gif

Pesquisas indicam que a ingestão adequada de cálcio está claramente associada a um risco reduzido de fluorose dentária. A vitamina C também pode proteger contra o risco. Ou seja, um bom estado nutricional é muito importante para o combate ao problema. Até porque flúor sozinho também não faz mágica: estudos mostram, aliás, que é muito similar a quantidade de cáries entre nações que fluoretam e nações que não fluoretam a água (FluorideAlert.Org).

Mais controvérsias apareceram quando a China passou a fluoretar a água, já que o número de crianças com dificuldade de desenvolvimento aumentou (Lu et al., 2000). A incidência de hipotireoidismo também parece aumentar (Kheradpisheh et al., 2018). Assim como chumbo e mercúrio, o excesso de flúor também parece ser neurotóxico (Grandjean & Choi, 2015). Estudo mostrou também que a exposição ao flúor durante a gravidez pode prejudicar o QI e o desenvolvimento cognitivo em crianças. Mesmo assim, relatório recente mostrou que os estudos sobre o flúor são falhos e que, por isso, a decisão dos governos em fluoretar ou não a água deve levar em conta a disponibilidade de acompanhamento dentário para toda a população, do estado nutricional, assim como dos hábitos de higiene dentária das pessoas (Iheozor-Ejiofor et al., 2015).

Você também pode tomar suas próprias decisões, principalmente sobre o uso de pastas com flúor ou não. Uma das formas de acompanhar a quantidade de flúor em seu corpo é fazendo um exame de fluoreto na urina. O fluoreto é absorvido por via gastrintestinal e quase inteiramente depositado nos ossos e dentes, possuindo atividade anticariogênica. A excreção renal é a principal forma de regulação da quantidade corporal. O exame de fluoreto na urina funciona como um indicador biológico da exposição ao flúor e fluoretos.

O valor considerado normal é de até 0,5mg/g de creatina. Valores acima de 1,5mg/g de creatina podem causar problemas na tireóide. Valores acima de 2,0 mg/g de creatina podem causar problemas cognitivos e acima de 3,0 mg redução do QI (quociente de inteligência).

Compartilhe e ajude este trabalho a continuar.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/