Benefícios do estilo de vida mediterrâneo

Dentre as várias características do bem-estar, a que mais recebeu atenção e foi extensivamente estudada é a do bem-estar físico. Porém, as últimas décadas deixaram claro que cuidar apenas do corpo não conduz necessariamente a bem estar. Existem pessoas bonitas, magras e bem-cuidadas que ao mesmo tempo são mal humoradas ou sentem-se mal o tempo todo.

Embora grande parte da pesquisa sobre saúde gire em torno dos hábitos alimentares e seu impacto na qualidade de vida, a dieta sozinha não pode explicar a heterogeneidade e complexidade de doenças com múltiplas causas. Hábitos de toda a vida podem contribuir para o bem-estar, que depende de saúde física, mas também de saúde mental, espiritual, financeira, ambiental, social…

Saúde depende de muitos fatores ( Diolintzi, Panagiotakos, & Sidossis, 2019 ).

Saúde depende de muitos fatores (Diolintzi, Panagiotakos, & Sidossis, 2019).

A folha de São Paulo disponibilizou um teste gratuito (match da saúde) para que você avalie como estão seus hábitos em várias destas áreas. Eu fiz meu teste ao vivo e converso sobre o mesmo neste vídeo. Ao final dou uma dica de salada super fácil para que você continue alimentando seu corpo com nutrientes adequados, que irão influenciar todos os outros aspectos necessários a uma boa saúde.

Compartilhe conhecimento.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

GLP-1 e sua saúde

nrneph.2017.123-f3.jpg

O GLP-1 (glucagon-like peptide-1) é uma incretina, uma substância produzida no intestino que tem muitas ações no organismo.

Os papéis fisiológicos do GLP-1 mais estudados são aqueles relacionados à função das células das ilhotas pancreáticas. No entanto, o hormônio também desempenha papel em vários outros tecidos e órgãos, com várias possíveis implicações na saúde e na doença (Muskiet et al., 2017).

Por exemplo, o GLP-1 aumenta a queima de gordura (termogênese), melhora a captação de glicose no músculo (aumentando o rendimento físico), reduz a inflamação, melhora o funcionamento renal, cardíaco, hepático e até cerebral.

O GLP-1 também aumenta a saciedade, reduz a glicose, retarda o esvaziamento gástrico e diminui a vontade de comer, o que ajuda a prevenir a obesidade. Mas para todos estes efeitos, o intestino precisa estar super saudável. Falo mais sobre este tema neste curso online.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/
Tags

Por que o magnésio é um suplemento tão indicado?

Muitos profissionais de saúde indicam a suplementação de magnésio, mineral fundamental para o relaxamento muscular, para a redução das caibras, para a modulação de genes que desinflamam, para a neuroplasticidade e aprendizagem.

Na verdade o magnésio participa de mais de 300 reações metabólicas no corpo. Por isso, sua falta gera muitos problemas: osteoporose, fraqueza muscular, delírios, ansiedade, contrações musculares involuntárias, cãibras, sonolência, perda de apetite, convulsões em crianças. Existem vários tipos de magnésio para suplementação (dimalato, quelato, cloreto, citrato, glicinato, etc). Explico sobre estes tipos e usos neste vídeo.

Compartilhe conhecimento.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/
Tags

Práticas integrativas para alívio das cólicas menstruais

A dismenorreia, mais conhecida como cólica menstrual, é uma dor uterina ocasionada pela contração uterina. Pode aparecer 48 horas antes da menstruação e persistir por até 72 horas. Dependendo da intensidade a mulher também pode ter dores nas coxas. As cólicas também podem ser acompanhadas de dores de cabeça, tontura, fadiga, diarréia e aumento do suor.

Mas você sabia que existem várias estratégias para ajudar a aliviar essa cólica? Um novo estudo mostrou que alguns fitoterápicos podem auxiliar na melhoria desses sintomas. Dentre os fitoterápicos estudados, dois são comuns e fáceis de encontrar no Brasil: o funcho (Foeniculum vulgare) e a camomila (Matricaria recutita), que podem ser adicionados na alimentação na forma de chás.

As flores de camomila contém mais de 120 compostos químicos com propriedades antiinflamatórias e anticancerígenas, como a apigenina. A indicação para melhor efeito é de uso de dois a três xícaras ao dia, sem açúcar. Para quem não gosta de chás, existem as cápsulas de extrato de camomila que podem ser prescritas por um nutricionista especialista em fitoterapia (Sharghi et al., 2019).

O funcho é fonte de anetol, composto similar à dopamina e capaz de inibir dores e suprimir as contrações induzidas por substâncias inflamatórias geradas durante o período menstrual. Para fazer o chá do funcho utilize as folhas e as sementes. Coloque uma colher de sopa em uma xícara de água fervente, tampe e deixe amornar. Após 15 minutos, coe e beba por 2 a 3 vezes ao dia, ou revezando com a camomila. Outra opção é usar o óleo essencial de funcho, o extrato em cápsula ou o xarope de funcho, que também podem ser prescritos por nutricionista especialista em fitoterapia.

Não comer muito, dando um alívio para seu sistema, jantar cedo e adotar uma dieta antiinflamatória (sem álcool e cafeína) durante todo o mês também ajuda. Assim como suplementar óleos de prímula e borragem e corrigir deficiências nutricionais, como B6 e vitamina E.

Você também pode usar os conhecimentos da aromaterapia! Faça compressas com óleo essencial de lavanda. No período pré-menstrual, misture 1 colher de sopa de óleo de girassol com 25 gotas de óleo essencial de gerânio em um recipiente e massageie a região do útero em sentido horário.

Postura3-300x255.jpg

A prática de yoga também pode aliviar as cólicas menstruais pois revitaliza os órgãos abdominais e endócrinas. Pratique durante todo o mês. Contudo, durante a menstruação evite práticas intensas, inversões e flexões para trás. Relaxe completamente em cada postura, respirando de forma lenta e profunda. Posturas com flexões para frente ajudam a aliviar as cólicas.

A fitoterapia também pode contribuir para o alívio das cólicas. Chás de gengibre, calêndula ou folhas da amoreira e suplementação de Vitex Agnus castus (20mg) ou tintura de acácia. Na medicina tradicional chinesa é frequentemente utilizado o fitoterápico Su Gan Wan que alivia as dores. Outra possibilidade é o uso do chá de alcachofra.

Compartilhe conhecimento.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/