Pra que serve o magnésio?

O magnésio (Mg) é um mineral fundamental para o ser humano, participando em mais de 300 reações bioquímicas. Apesar de ser abundante na natureza (é o 8o elemento mais comum no solo), sua deficiência é muito comum.

Uma das funções mais importantes do magnésio é participar da utilização de energia (ATP). É por isso que pessoas com uma dieta muito processada, pobre em alimentos naturais sofre tanto de cansaço, ansiedade, estresse.

São sintomas comuns da deficiência de magnésio: dores de cabeça / enxaqueca, fadiga, fraqueza, ansiedade, depressão, falta de concentração, irritabilidade, insônia, dormência, formigamento, cãibras musculares, pernas inquietas, vertigem, cólicas menstruais, náuseas e prisão de ventre.

Aproximadamente 60% do magnésio em nosso corpo encontra-se nos ossos. A enzima necessária para formação de cristais de cálcio nos ossos chama-se fosfatase alcalina e precisa de magnésio para funcionar. O magnésio também é essencial para a conversão da vitamina D na sua forma ativa. A vitamina D é fundamental para boa absorção de cálcio nos intestinos. São estes fatores que fazem pessoas com baixo consumo de magnésio terem um maior risco de osteoporose.

Outras condições clínicas também são agravadas na carência de magnésio como déficit de atenção, asma, hipertensão, convulsões, diabetes, fibromialgia, zumbido nos ouvidos, síndrome pré-menstrual, inflamação, arritmia cardíaca, depressão, psicose, câncer de cólon.

Screen Shot 2018-12-08 at 10.36.31 AM.png

Dietas com muita gordura podem atrapalhar a absorção de magnésio. O estresse também esgota o magnésio no corpo. Por isso, capriche no consumo de boas fontes como amêndoas, castanhas de caju, abacate, folhas verde escuras e quinoa são boas fontes de magnésio.

Alimentos industrializados e refrigerantes ricos em fosfatos reduzem a absorção de magnésio. O ideal é ter uma dieta bem mais natural.

Algumas problemas de saúde também podem aumentar o risco de deficiência de magnésio como fístulas intestinais, síndrome do intestino curto. pancreatite hemorrágica aguda, lesão renal aguda, diabetes melito, sensibilidade ao glúten, doença celíaco, intestino irritável, disbiose intestinal, hiperparatireoidismo primário, hipoparatireoidismo, queimaduras graves.

Nestes casos, os níveis de magnésio devem ser acompanhados por equipe constituída por médicos e nutricionistas. Quem toma medicamentos imunossupressores como os inibidores da calcineurina (ciclosporina, tacrolimo), anticoncepcionais, diuréticos, inibidores de bombas de próton (usados no tratamento da gastrite - como nexium e prilosec) também podem precisar de suplementação de magnésio. O ideal é que o magnésio sérico fique acima de 24 mg.

Quanto magnésio você precisa? A ingestão diária média recomendada para adultos é de aproximadamente 400 mg, mas alguns pacientes podem precisar de até 1000 mg por dia, especialmente se estiverem suplementando também o cálcio.

Quando necessária a suplementação muitas opções podem ser consideradas. A forma glicinato / Malato de Magnésio, é facilmente absorvida no intestino e muito útil para o tratamento da fadiga e da tensão muscular.

Para quem tem prisão de ventre o citrato de magnésio é interessante. Sua absorção não é tão eficiente. Por isso tem um efeito mais laxativo. O óxido de magnésio é a forma mais utilizada nos suplementos por ser muito barato. Porém, é a forma de pior absorção (apenas 4%). Falo mais sobre as formas de suplementação neste vídeo:

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Importância do magnésio na saúde

Estudos mostram que o magnésio reduz o risco de calcificação em artérias prevenindo as doenças cardiovasculares. O consumo de magnésio também é importante para a saúde óssea, para a produção de energia e para o metabolismo das gorduras.

Outro importante aspecto é a ação antioxidante indireta do magnésio gerando benefícios cardiovasculares e também para o cérebro. Entre as boas fontes de magnésio estão as oleaginosas, vegetais folhosos e cereais integrais.  

Não esqueça de compartilhar.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Importância do magnésio em nossa saúde

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/
In Tags

Papel do magnésio na aprendizagem de pessoas com Síndrome de Down (trissomia do 21)

sinapse-quc3admica.jpg

O magnésio é o quarto mineral mais comum no corpo humano, participando de uma série de reações bioquímicos fundamentais para a geração de energia, contração muscular e aprendizagem.  O magnésio aumenta a plasticidade sináptica e a densidade das sinapses no hipocampo - a zona do cérebro que aloja a memória - gerando uma melhora nas habilidades de aprendizado e das memórias de curto e longo prazo.

A perda de sinapses é uma das principais características associadas à doença de Alzheimer. Pesquisas mostram que o adequado consumo e chegada de magnésio no cérebro protegem sinapses e diminuem a velocidade de perda de habilidades em pessoas com Alzheimer. A suplementação de magnésio também vem sendo investigada com sucesso no tratamento da ansiedade e da depressão.

Infelizmente, estudos mostram que crianças com Síndrome de Down possuem níveis mais baixos de magnésio circulantes do que crianças típicas. Baixos níveis de magnésio também pioram a função cardiovascular e da tireóide. Crianças frequentemente doentes também perdem mais magnésio pela urina. 

magnesium-for-migraines_thumb.jpg

O magnésio poderia ser suplementado de várias formas: magnésio citrato, magnésio treonato, magnésio dimalato, magnésio quelado, cloreto de magnésio, magnésio glicinato, óxido de magnésio, sulfato de magnésio. No grupo de estudos discutiremos os prós e contras de cada formulação para a Síndrome de Down. 

Dietas baseadas em comidas processadas e congeladas possuem pouco magnésio. Boas fontes dietéticas incluem semente de abóbora, semente de melão, semente de girassol, amêndoas, castanha de caju, cacau, espinafre, salmão e feijão preto. Discutiremos também os prós e contras de cada uma destas fontes na Síndrome de Down.

Para saber mais sobre o grupo de estudos clique aqui. Início dia 07/09/2017, quinta-feira.

Deixe seu comentário.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/