Homenagem à Iyengar


Iyengar, fundador do Iyengar Yoga foi um dos responsáveis pela difusão do yoga no Ocidente e nesta última sexta-feira (14) o mestre indiano completaria 100 anos. 🕉

Bellur Krishnamachar Sundararaja Iyengar (1918-2014), mais conhecido como B.K.S. Iyengar, criou a modalidade Iyengar, que tem como objetivo essencial aproximar a prática de yoga de qualquer pessoa, mesmo que tenha necessidades posturais especiais.

When I practise, I am a philosopher, when I teach, I am a scientist, when I demonstrate, I am an artist”

(Quando pratico, sou um filósofo, quando ensino, sou um cientista, quando demonstro, sou um artista)

O método ensinado pelo mestre é conhecido por utilizar acessórios (props), como blocos e cintos, permitindo que algumas dificuldades ou obstáculos possam ser ultrapassados. Iyengar também contribuiu publicando muitos livros, sendo um deles o clássico Light on Yoga (Luz sobre o Yoga) que inspirou e inspira muitos praticantes pelo mundo. Será sempre lembrado pela comunidade do yoga com carinho e reverência. 🙏

Hoje, em homenagem à Iyengar vejamos três posturas para melhorar o funcionamento da glândula tireóide. O hipotireoidismo é uma doença endócrina relativamente comum. Caracteriza-se pela baixa atividade da tireóide, fazendo com que esta reduza a produção dos hormônios T3 e T4, necessários ao controle do metabolismo.

A causa mais comum de hipotireoidismo é a Tireoidite de Hashimoto, uma doença autoimune, em que anticorpos começam a atacar a glândula tireoide. Escrevi várias vezes sobre o papel da nutrição no funcionamento da tireóide. Hoje vamos conversar sobre posturas do yoga que beneficiam a glândula:

Screen Shot 2018-11-18 at 3.10.55 PM.png

1. Sarvangásana (invertida sobre os ombros): essa postura exerce pressão sobre a glândula tireoide e estimula a secreção do hormônio tireoidiano. Instruções: (a) Deite-se de costas, com os braços ao lado do corpo e as palmas voltadas para baixo; (b) Inspire e levante as pernas a 90 graus e expire lentamente para trazer as pernas sobre a cabeça; (c) Mova as mãos para apoiar a parte inferior das costas; (d) Levante as pernas; (e) Mantenha o queixo pressionado contra o peito enquanto estiver na posição invertida

Screen Shot 2018-11-18 at 3.15.28 PM.png

2. Halásana (postura do arado): a partir do sarvangásana, leve as pernas atrás da cabeça. Este ásana (postura) também estimula a glândula tireóide, ajuda a reduzir a fadiga e o estresse.

A compensação do sarvangásana e do halásana é exatamente a mesma: a postura do peixe (Matsyásana).

Screen Shot 2018-11-18 at 3.21.08 PM.png

3. Matsyásana (a postura do peixe): alonga o pescoço, reduz a rigidez de articulações e também dos músculos do pescoço. Instruções: (a) Deite-se de costas com as pernas estendidas, (b) Pressione os braços para levantar o corpo e abrir a região do peito, (c) toque o topo da cabeça no chão.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Dietas restritivas vão acabar com sua tireóide!

As férias de verão estão chegando e muita gente se desespera para emagrecer. Aí voltam à moda a dieta do suco, da melancia, da sopa, da proteína, do shake, das 500 kcal. As revistas ganham um monte de dinheiro com manchetes como: "perca 10 kg em 1 mês". E você sabe bem que nada disso vai funcionar então caia fora! Dietas super restritivas causam vários desequilíbrios no organismo, como a inibição da enzima da tireóide deiodinase 2, cuja principal função é converter o hormônio T4 (tiroxina) em T3 (triiodotironina), que é fundamental para a queima de gordura e para o emagrecimento. Mas quanto maior é a restrição de calorias e carboidratos na dieta menos T3 será produzido, o que desacelera o metabolismo e acaba com as chances de emagrecimento. E você já deve ter visto isto, gente que não come nada e também não emagrece nada!

Se você fizer um exame de sangue, a concentração de T3 estará baixinha, claro. A solução? Comer mais. Se não voltar a comer não emagrecerá. E o pior, se entregar seus exames a um profissional de saúde inexperiente ele te receitará T3. E olha que loucura: o uso de T3 exógeno em altas doses (na forma de medicação) vai inibir sua tireóide. O provável é que ela nunca mais volte a produzir T3 e você ficará dependente da medicação até para conseguir manter o peso atual... Este uso do T3 também pode causar perda de massa magra e óssea e arritmias cardíacas.

Quer naturalmente estimular a conversão de T4 em T3? Aumente o consumo de calorias, carboidratos (aveia, arroz integral, batata doce, frutas) e selênio, presente em grande quantidade na castanha do Brasil. 

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Como manter o metabolismo acelerado?

Um ouvinte do podcast NutriYoga me enviou a seguinte mensagem: "Fui ao endocrinologista e ele disse que tenho tendência ao hipotireoidismo. O que posso fazer para meu metabolismo não desacelerar e eu não engordar?" Esta pergunta é ótima e gravei um podcast sobre o assunto. Para ouvir clique:

Para não perder nenhum episódio assine o podcast NutriYoga no iTunes.

Ou se quiser ouvir os episódios antigos em seu computador clique aqui.

+ Doença celíaca e problemas da tireóide andam juntos

Baixe o livro gratuito: "Agora emagreço de vez"

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Equilibrando a tireóide

Queixas comuns em meu consultório: tristeza, dores, baixa libido, ganho de peso, resfriados de repetição, cabelo quebradiço, pele seca... Estes sintomas comuns no hipotireoidismo podem aparecer também em indivíduos que tem a glândula tireoide funcionando normalmente. A tireoide produz hormônios que regulam o crescimento, o metabolismo, a produção de energia...

No cérebro, a glândula pituitária produz TSH (hormônio estimulador da tireoide), o qual estimula a produção de T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina). Esta produção é dependente de um consumo adequado de iodo. Quando a tireoide não produz seus hormônios em quantidade suficiente os sintomas acima aparecem. Estão em maior risco mulheres, indivíduos acima de 60 anos, pessoas com história familiar de problemas de tireoide, pacientes com doenças autoimunes como diabetes tipo 1, artrite reumatóide e lúpus. Outros sintomas possíveis incluem dores articulares, aumento da glândula, sensibilidade ao calor ou frio, ataques de pânico, aumento do colesterol plasmático, diminuição da memória e problemas de visão. O diagnóstico é feito pela medida do TSH e do T4, que estão baixos no hipotireoidismo. O tratamento inclui o uso e monitoramento dos níveis de T4.

Bom, e se você possui estes sintomas, fez os exames e deram todos normais? Neste caso, sua tireoide pode estar sofrendo as consequências de um estilo de vida inadequado mas ainda luta para funcionar. O tratamento exige modificações em sua alimentação e em sua rotina:

  • Desestresse: o estresse diminui as reservas de nutrientes no nosso organismo fazendo com que a produção de alguns hormônios seja prejudicada. Diminua a carga de trabalho, medite, faça yoga, durma mais,  diminua o consumo de açúcar e aumente o consumo de chás calmantes como o de camomila.
  • Movimente-se: a atividade física aeróbica de baixa intensidade, como a caminhada, estimula a produção de hormônios da tireóide.
  • Fique de olho nas vitaminas:  o consumo adequado de magnésio, selênio, iodo e vitaminas A, C, D e E são importantes para a produção dos hormônios da tireoide.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/