O azeite pode ser aquecido?

Estou tentando variar mais a alimentação aqui de casa. Hoje fiz um tomate recheado com tofu (você pode usar o queijo da sua preferência). É bem fácil de fazer, tem baixo índice glicêmico, é um prato rico em vitaminas e minerais. Usei quatro tomates, tirei a tampa e um pouco da poupa. Refoguei tofu em cubinhos no azeite e alho, temperei com sal, pimenta, açafrão e hortelã. Às vezes também acrescento castanha do Pará ou de cajú picada. Depois é só colocar este refogado dentro do tomate e levar ao forno pré-aquecido a 160oC para assar por 15 a 20 minutos.

Eu faço a comida com o azeite. Outras pessoas ficam com medo e usam outros óleos. Mas se você gosta de azeite não há problema nenhum em usá-lo para cozinhar. O azeite só perde suas propriedades benéficas se submetido a temperatura muito alta (acima de 180oC), por longos períodos. Escolha uma boa marca, preferencialmente extra-virgem, que contém mais antioxidantes. Observe também a data de fabricação. Quanto mais jovem mais antioxidantes terá. Azeites com mais de 1 ano de idade já começam a perder bastante seus poderosos nutrientes. Por isso, se não usa muito, compre embalagens menores.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Varie as marcas de azeite

O azeite de oliva é uma excelente fonte de compostos antioxidantes benéficos à saúde. Seus polifenóis conferem ao óleo um sabor diferenciado e ainda ajudam na prevenção de doenças  cardiovasculares e inflamatórias.

O ideal é comprar um produto extravirgem com acidez menor que 0,80%, vendido em embalagem de vidro escuro para melhor preservação. Também é importante variar as marcas. Para além da questão da adulteração do azeite no Brasil diferentes marcas possuem diferentes substâncias protetoras. 

Talhaoui e colaboradores (2016) analisaram a quantidade de 33 diferentes compostos fenólicos em azeitonas e 20 compostos em diferentes marcas de 6 marcas de azeites espanhóis e viram que cada uma possuía concentrações distintas de antioxidantes. A marca Picual foi a campeã mas todas as marcas podem ser utilizadas de forma intercalada para maiores benefícios.

Screen Shot 2018-03-28 at 10.25.37 AM.png

Também é importante olhar a data de fabricação do azeite no momento da compra pois quanto mais velho o produto menos compostos fenólicos terá. O ideal é consumir o azeite dentro do primeiro ano de validade. Saiba mais sobre o azeite nos posts anteriores do meu blog:

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Azeite de oliva extra-virgem protege o fígado

Em estudo publicado no Nutrition and Metabolism ratos foram expostos ao herbicida tóxico ácido 2,4-diclorofenoxiacético. O mesmo causa estresse oxidativo e danos ao fígado. Este mesmo estresse oxidativo também aumenta o risco de doenças neurodegenerativas, cardiovasculares, câncer e diabetes.

Na pesquisa, todos os ratos expostos ao herbicida desenvolveram disfunções hepáticas. Porém, naqueles que receberam o azeite, o dano foi diminuído. Isto ocorre pois o azeite é rico em compostos fenólicos com propriedades antioxidantes e protetoras. Outros alimentos ricos em compostos fenólicos são os chás (como chá verde e chá de hibiscus), o cacau, as uvas, o açaí...

Mas voltando ao azeite, o mesmo ainda é rico no ácido graxo oléico que diminui o risco de oxidação da LDL (o "mau colesterol") e, portanto, de aterosclerose. Mas não vale comer uma refeição rica em frituras e gorduras ruins e regar com azeite. O ácido graxo oléico deve substituir as gorduras saturadas e trans da dieta. Escolha uma boa marca, sem aceitar aquelas com misturas de óleos (por exemplo azeite + óleo de soja). Como é um produto importado acaba sendo mais caro que os outros óleos mas vale a pena. Retire as guloseimas, sorvete, biscoitos, refrigerantes e sucos industrializados do carrinho. Economize e faça o azeite entrar de vez no cardápio da sua família.

O azeite extra-virgem é o mais saudável visto que sofre menos processamento, sendo extraído logo na primeira prensagem das azeitonas. Possui mais compostos fenólicos e por isto traz maiores benefícios à saúde. O ideal é comprar um produto com acidez abaixo de 0,8 e em vidro escuro para melhor preservação das substâncias antioxidantes.

O azeite é um dos alimentos muito consumidos na dieta mediterrânea. Saiba mais sobre o tema:

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/