Por que o álcool deve ser evitado durante a gravidez?

Sim. A exposição ao álcool, durante a gravidez, pode provocar no feto complicações como a síndrome alcoólica fetal, além de problemas de desenvolvimento neurológico. Como o cérebro é o órgão mais vulnerável à essa exposição, um grupo de pesquisadores americanos buscou medir a associação entre transtornos psiquiátricos e o consumo de álcool durante a gestação. Durante a pesquisa 500 crianças foram acompanhadas em diferentes etapas de sua vida: ao nascer, aos 8 e 18 meses, aos 4, 7, 11, 14, 21 e 25 anos de idade.

Resultados:

- 17,8% das mães relataram episódios de uso pesado de álcool durante a gravidez (cinco ou mais doses de álcool por ocasião);

- 37,5% relataram abstinência ou uso em pequenas quantidades de maneira indefinida durante esse período;

- 37,5 % fizeram uso moderado de álcool (1 dose por dia para mulheres);

- As chances de manifestação de seis tipos de doenças psiquiátricas, como os transtornos de personalidade e os transtornos relacionados ao uso de substâncias químicas, foram mais do que duas vezes maior entre os jovens que foram expostos ao uso pesado de álcool durante a fase pré-natal.

Para saber mais: Helen M. Barr, Fred L. Bookstein, Kieran D. O’Malley, Paul D. Connor, Janet E. Huggins, Ann P. Streissguth. Binge Drinking During Pregnancy as a Predictor of Psychiatric Disorders on the Structured Clinical Interview for DSM-IV in Young Adult Offspring. American Journal of Psychiatry, 163:1061–1065, 2006

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!

Receitas saudáveis para as festas de fim de ano

Natal e ano novo estão chegando mas a ceia não precisa ser um festival de açúcar e gordura. Seguem algumas receitas inteligentes para tentar incluir no cardápio:

FAROFA FUNCIONAL

  • ½ Xícara de Semente de Linhaça Triturada
  • ½ Xícara de Farelo de Arroz
  • ½ Xícara de Farelo de Aveia
  • ½ Xícara de Gergelim Torrado e triturado
  • 2 Xícaras de Castanhas variadas trituradas em pedaços menores( castanha do Pará, castanha de caju, amêndoas, nozes, avelãs e amendoim graúdo)
  • ½ Xícara de semente de melão torrado e triturado

PREPARO: Para torrar as sementes, coloque-as no forno médio por 15’ mexendo de vez em quando. Triture-as no liquidificador separadamente.
Opcional: Acrescentar 1 xícara de açúcar mascavo ou 1 pitada de sal á gosto.OBS: A farofa doce pode ser utilizada com frutas, sucos, vitaminas. A farofa salgada para tempero das saladas, sanduíches, sopas.

FAROFA NUTRITIVA (Fonte de Cálcio e Zinco)

  • 1 xícara de Semente de girassol
  • 1 Xícara de Semente de Abóbora

Triturar no liquidificador e servir nas refeições (almoço e jantar).
Utilizar 1 colher de sopa na salada temperada.

Molhos para Saladas

SALPICÃO

  • 2 xícaras de frango

  • 1 xícara de cebola picada

  • 2 xícaras de cenoura cozida em cubos

  • 1 xícara de salsão picado

  • 1 xícara de maçã picada

  • ½ xícara de tomate cereja

  • 2 xícaras de maionese de biomassa de banana verde (receita acima)

  • ½ xícara de nozes

  • ½ xícara de amêndoas

  • ½ xícara de amêndoas

  • Sal a gosto

Desfie o frango e reserve. Passe a cebola na água quente e depois na água fria, para tirar a acidez. Em uma tigela grande, misture o frango, a cebola, a cenoura, o salsão, a maçã, o tomate cereja e a maionese de biomassa. Acerte o sal. Enfeite com nozes, amêndoas e cerejas.

MOLHO PARA SALADA

  • 01 colher de chá de mostarda
  • 01 colher ( sopa ) de vinagre de vinho
  • 03 colheres ( sopa ) de azeite de oliva e sal a gosto

Misture todos os ingredientes. Molho de Alho para saladas verdes. Faça o molho Francês para a salada, mas adicione ½ dente de alho amassado.

QUINOA A GREGA

  • 2 copos de água;

  • 1 copo médio de quinoa em grão;
  • 1 cenoura média ralada;
  • 1 pimentão (vermelho, amarelo ou verde) cortado em cubos;
  • 1 abobrinha média cortada em cubos;
  • 1/3­ de xíc. (chá) de uvas-passas;
  • Pimenta-do-reino a gosto;
  • Sal a gosto.

E m uma panela, ferva dois copos d’água, despeje a quinoa e cozinhe por aproximadamente 15 minutos, mexendo os grãos para não grudarem. Adicione a cenoura ralada, o pimentão, a abobrinha e as uvas-passas, misture bem e cozinhe por mais 10 minutos. Tempere com pimenta-do-reino e sal e sirva quentinho.

SUCO DE FRUTAS

  • 1 maçã
  • 3 fatias de abacaxi s/ miolo
  • suco de 6 laranjas

Preparo: descasque a maçã e elimine as sementes; bata no liquidificador, juntamente com os outros ingredientes e acrescente cubos de gelo. Rendimento: 1500 ml - 6 copos. Couve ou hortelã são opcionais

MARAVILHA DE MANGA

  • 1 manga
  • ¼ de limão s/ casca
  • 3 xícaras de água mineral (c/ ou s/ gás) gelada.

Preparo: pique a manga e reserve; descasque o limão, retire as sementes e bata no liquidificador, juntamente c/ os demais ingredientes.Rendimento: 750ml - 3 copos cheios

BEBIDA REFRESCANTE

  • 1 copo de água de coco natural
  • 3 colheres de sopa de hortelã.

Preparo: Bata tudo no liquidificador e sirva em seguida.Rendimento: 750ml - 3 copos

MOLHO DE MAÇÃ VERDE

  • 5 maçãs verdes descaroçadas e cortadas em cubinhos
  • 1 ramo médio de coentro
  • 800 ml de água
  • 50 g de açúcar mascavo
  •  1 colher de chá de pimenta do reino preta em pó
  • 1 colher de chá de curry

Preparo:  Em uma panela grande e destampada, colocar as 5 maçãs, a pimenta, o curry e 500 ml de água para ferver (reservar 300 ml para o açúcar). Mexa de 10 em 10 minutos a mistura com uma colher e quando as maçãs estiverem bem cozidas e a água já estiver reduzida a 1/3 da panela, desligue o fogo, espere esfriar e bata no liquidificador. Coe para uma tigela grande e reserve. Pique muito finamente o coentro e reserve. Em uma panela pequena ferva a água (300 ml) e o açúcar até entrar em ponto de ebulição. Quando entrar em ebulição tire do fogo e espere esfriar. Misture bem em uma tigela grande as maçãs, o açúcar e o coentro, e sirva logo em seguida quente ou frio.

ARROZ COLORIDO

  • 5 Xícaras de arroz cozido
  • 400 g de brócolis cozido e cortado em pequenos pedaços
  • 100 g de castanhas ou nozes (Já trituradas em pequenos pedaços)
  • 4 tomates médios sem sementes e cortados em cubinhos
  • 1 ramo grande de hortelã desfolhado
  • 200 ml de azeite extravirgem
  • 80 ml de água
  • 1 colher de chá de sal
  • 1 dente de alho descascado

Preparo: No liquidificador colocar 2/3 da hortelã, o azeite, o sal, o alho e a água, e bater bem até que se forme uma pasta (pesto) e reservar. Picar o restante da hortelã e reservar. Em uma panela grande misturar o arroz, o tomate, as castanhas (ou nozes), o brócolis e o pesto. Depois de tudo misturado e já aquecido, salpicar a hortelã picada por cima e servir logo em seguida.

Strawberry-santa.jpg

NUTELLA VEGANA PARA COMER COM FRUTAS DECORADAS

  • 2 xícaras de chá de avelãs cruas ou já torradas
  • 1/2 xícara de chá de chocolate vegano (amargo ou ao leite)
  • 1 colher de chá de extrato de baunilha
  • 1/2 colher de chá de sal

INSTRUÇÕES

1. No forno ou na panela, torre as avelãs cruas até elas começarem a ficar douradas e as cascas soltarem. Para avelãs previamente tostadas, faça a mesma coisa, o calor possibilitará a liberação dos óleos naturais e tornará o processo mais rápido. Para as avelãs torradas, você vai precisar de menos tempo no fogo.
2. Retire no fogo e deixe esfriar por alguns minutos. Transfira as avelãs para um pano e esfregue com as mãos para remover as cascas. Quanto mais cascas você conseguir remover melhor, mas nem sempre é possível tirar tudo.
3. Coloque as amêndoas em um processador ou em um liquidificador potente. Bata durante aproximadamente 20 min em média, desligando e raspando as laterais até obter uma manteiga cremosa. Quanto mais tempo você bater, mais cremosa sua vegantella vai ficar.
4. Enquanto você processa as avelãs, derreta o chocolate em banho-maria ou no microondas.
5. Quando a manteiga estiver bem cremosa, adicione o chocolate, a baunilha e o sal e bata mais uns minutos até todos os ingredientes incorporarem.
6. Se desejar adicione mel, xarope de bordo ou estévia. Guarde em um pote de vidro, na geladeira.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!
Tags

Nestlé compra unidade da Novartis

A Nestlé, maior grupo de alimentos do mundo, está comprando a Novartis por US$ 2,5 bilhões. A compra elevará em cerca de 20% as vendas de alimentos nutricionais mais caros fabricados pela Nestlé.

Fonte: Maxpress

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!

Ausência de rotulagem sobre gordura trans implicará em multa

<por Mariana Perozzi, em 12/12/06 para o ComCiência

Elas estão por toda parte. Bolos, sorvetes, batatas-fritas, salgadinhos industrializados, pipocas de microondas, margarinas e gorduras hidrogenadas. Mesmo produtos aparentemente “inofensivos”, como biscoito polvilho e bolacha maisena, carregam gorduras trans, cujo excesso eleva o nível de colesterol do organismo, favorecendo o aparecimento de doenças cardíacas. Na semana passada as autoridades sanitárias de New York proibiram o uso de gordura trans em seus restaurantes. Na Dinamarca essa gordura já foi banida há anos. Um dos poucos aliados dos consumidores para identificar a presença de gorduras trans nos alimentos é a rotulagem. Os fabricantes que ainda não declararam nos rótulos dos alimentos a quantidade dessas gorduras serão notificados até o final deste ano e, a partir de 2007, podem ser multados de R$ 2 mil a R$ 1,5 milhão pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), A lei, que exige a adequada rotulagem dos alimentos com gordura trans, está em vigor desde agosto de 2006. No entanto, uma pesquisa realizada pelo Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), quinze dias depois da aprovação da lei, revelou que mais de um terço dos produtos ainda não exibiam essa informação em seus rótulos. O Idec avaliou 370 produtos e, desses, 139 ainda não cumpriam a lei. Os mais “omissos” eram os biscoitos wafer, com 64,3% das embalagens sem informações sobre trans. As gorduras trans são largamente utilizadas pela indústria de alimentos. Elas servem para realçar o sabor, melhorar a textura, crocância, consistência e aumentar o tempo de conservação de massas e produtos de confeitaria. São formadas durante o processo de hidrogenação industrial que transforma óleos vegetais líquidos em gordura sólida. Também se formam durante um processo de hidrogenação natural (ocorrido no rúmen de animais), estando presente em pequena quantidade no leite, por exemplo, com propriedades nutracêuticas reconhecidas. Segundo a professora Marisa Regitano d’Arce, do Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição da Esalq/USP as gorduras trans “foram identificadas há mais de 30 anos, porém sempre se assumiu que eram metabolizadas como ácidos graxos saturados, tendo os mesmos efeitos danosos desses, ou seja, aumentam os níveis séricos das lipoproteínas LDL (conhecida como ‘colesterol ruim’)”. As gorduras saturadas eram, até então, consideradas as mais prejudiciais à saúde, sendo encontradas na gordura animal (carne, leite e manteiga). Na década passada, começaram a aparecer indícios nas pesquisas de que, além de aumentar os níveis da LDL, os ácidos graxos trans também reduziam os níveis de HDL, o “colesterol bom”. As margarinas foram um dos primeiros alvos na caça contra as trans. Por serem de origem vegetal, as margarinas surgiram como uma alternativa mais saudável que a manteiga, fonte de ácido graxo saturado. Descobriu-se, mais tarde, que a elevada quantidade de ácido graxo trans que continham colocava em jogo seu papel para a saúde humana. A indústria, para não perder espaço, começou a se adequar e hoje existem no mercado diversas marcas de margarina “livre de gorduras trans”, que utilizam gordura interesterificada. No processo de interesterificação química ou enzimática, os óleos vegetais são solidificados sem que tenham que ser hidrogenados e, portanto, sem que haja a formação de gordura trans. Outra alternativa usada pela indústria alimentícia são as frações saturadas de óleo de palma (dendê), que também não contém ácidos graxos trans. As tecnologias que substituem o uso das trans por outras substâncias menos prejudiciais à saúde naturalmente incorrem em um aumento de custos para a indústria, por demandarem adaptações de processos ou novos insumos e nem sempre os produtos finais apresentam as características de cremosidade ou textura desejados”, diz a professora da Esalq. Por isso, há uma constante necessidade de pesquisa de desenvolvimento. As trans podem ser substituídas em praticamente todas as aplicações, mas os novos ingredientes podem custar até 25% mais, exigindo a readequação das formulações dos alimentos. Embora não seja um caminho fácil, a indústria alimentícia vai ter que se adaptar, seja em função das exigências legais ou da pressão do mercado, pois esta é uma questão de saúde pública. Estudos indicam que, além de aumentar o risco de doenças cardiovasculares, a gordura trans também causa um aumento da produção dos hormônios pró-inflamatórios do corpo (prostaglandina E2) e inibição dos tipos anti-inflamatórios (prostaglandinas E1 e E3), fazendo com que o organismo fique mais vulnerável a condições inflamatórias. Adicionalmente, a presença de gorduras trans na membrana celular enfraquece sua estrutura e sua função protetora, permitindo que microorganismos patogênicos e substâncias químicas tóxicas penetrem na célula com mais facilidade, afetando o sistema imunológico. Embora a mídia venha alardeando as gorduras trans como uma das grandes vilãs para o bom funcionamento do coração, Marisa d’Arce acredita não haver razão para tanto alarmismo, pois se sabe que a dieta e a forma de vida das pessoas podem contornar vários problemas. “O problema é a somatória de fatores: vida sedentária, alto consumo de gordura, falta de fibras, de vitaminas e outros componentes de ação antioxidante ou anti-radicais livres na dieta, tabagismo, e por aí vai. Tudo depende da quantidade e freqüência”, diz.>

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!