Medicamentos: só com prescrição médica!

O uso indiscriminado de medicamentos é muito comum porém é totalmente inapropriado já que muitas pessoas acabam errando no tipo de remédio, dosagens, ou mesmo tomam substâncias que não precisariam o que pode causar intoxicações graves. Além disso, o uso desnecessário de medicamentos intoxica o fígado e ainda prejudica a absorção de nutrientes essenciais à saúde. Por exemplo, a aspirina diminui a absorção da vitamina C e pode ainda reduzir os níveis de ferro e ácido fólico o que compromete o sistema imune e causa anemia. Anticoncepcionais depletam as vitaminas B6 e B12 e os minerais zinco e magnésio, o que pode prejudicar a qualidade do sono, resultar em alterações de humor e problemas gastrintestinais. Antiácidos diminuem a absorção de ferro, zinco e vitamina B12, o que aumentam o risco de infecções e até câncer. 

Caso você realmente precise usar qualquer tipo de droga converse com seu nutricionista. Este poderá ajudá-lo a melhorar sua alimentação, o que reduzirá o risco de novas doenças e ainda fará a suplementaçõa vitamínica e/ou mineral sempre que houver necessidade.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Sibutramina é suspensa em toda a comunidade européia!

sibutramina_14982_l.jpg

A sibutramina é um medicamento inibidor de reabsorção de neurotransmissores que ajuda a elevar a saciedade. É utilizada desde 1997 como remédio no tratamento da obesidade.

Recentemente (21 de janeiro de 2010), o Comitê de Produtos Médicos para Uso Humano (CHMP) da Agência Européia de Medicamentos (EMA) decidiu recomendar a suspensão das autorizações de comercialização para todos os medicamentos anti-obesidade que contenham sibutramina. A recomendação do CHMP foi baseada na revisão dos resultados do estudo SCOUT (Sibutramine Cardiovascular OUTcome Trial), com aproximadamente 10.000 pacientes por seis anos, conforme havia sido solicitado pelas autoridades regulatórias européias, como um compromisso pós-comercialização de avaliar a segurança cardiovascular em pacientes de alto risco para problemas cardiovasculares. A agência concluiu que os riscos do uso do medicamento são mais elevados do que os benefícios. No Brasil, a ANVISA decidiu manter a comercialização, mas divulgará parecer definitivo em fevereiro.

A Abbott, empresa farmacêutica responsável pelas vendas no Brasil, informou que confia no medicamento e que os resultados do estudos foram ruins dado que os pacientes utilizaram o produto de forma inadequada. Por exemplo, pacientes cardíacos não podem utilizar, o medicamento não deve ser usado por mais de dois anos, o que não aconteceu. Além disso, a recomendação é de que o tratamento deve ser interrompido caso não haja resposta satisfatória. O problema é que no desespero por emagrecer muitas pessoas acabam fazendo o que não deve. A Abbott entende, portanto, que os resultados do estudo SCOUT não alteram a avaliação de que a sibutramina apresenta uma relação positiva de risco/benefício quando utillizada adequadamente conforme a indicação prevista em bula. Fora dos EUA a sibutramina continua sendo utilizado e a empresa cita os EUA como um exemplo, o que para mim não é exemplo nenhum, já que o FDA não tem sido rigoroso com nada nos últimos anos. O que você acha?

Contra-indicações da sibutramina: 

  • Condições psiquiátricas como bulimia nervosa, anorexia nervosa, depressão forte, ou mania pré-existente.
  • Hipersensibilidade ao remédio
  • Pacientes abaixo de 18 anos de idade.
  • Tratamento concomitante com inibidores da Monoamina Oxidase (MAO), antidepressivos ou outros remédios centralmente ativos.
  • Hipertensão não suficientemente controlada.
  • Hipertensão pulmonar.
  • Lesões existentes na válvulas cardíacas, doença coronária, insuficiência cardíaca congestiva, arritmia sério e infarto do miocárdio anterior.
  • Infarto ou ataque isquêmico transiente.
  • Hipertiroidismo.
  • Glaucoma de ângulo fechado.
  • Problemas de ataque apoplético.
  • Alargamento da glândula da próstata com retenção urinária.
  • Feocromocitoma.
  • Mulheres grávidas ou lactantes.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/