Propriedades do vinagre de maçã

O vinagre tem funções na culinária, na limpeza e na estética. Algumas pesquisas mostram que as propriedades do vinagre se estendem também à saúde.

Por exemplo, estudo publicado no Journal of Diabetes Care mostrou que consumir vinagre antes das refeições poderia ajudar a melhorar a sensibilidade à insulina e reduzir os níveis de glicose em 25% em pessoas com diabetes tipo 2. O que acontece é que o vinagre diluído em água parece retardar a digestão do amido. 

O vinagre também parece reduzir os níveis de triglicerídeos e de colesterol do tipo LDL em animais. Porém, estudos como o de Panetta, Jonk e Shapiro (2013) mostram resultados inconclusivos nesta área.

Mesmo assim, parece valer a pena colocar um pouco de vinagre na salada já que seu ácido acético pode contribuir para reduzir levemente a pressão arterial (Kondo et al., 2001).  Melhores estudos em humanos parecem necessários. Pesquisas que analisam o papel do vinagre na supressão do apetite também não são muito promissores.

O vinagre pode ser sim bom para a saúde mas não faz milagres. Alimentação saudável e atividade física são fundamentais para manutenção e recuperação da saúde. Também não abuse do vinagre se sofrer de gastrite ou refluxo gastroesofágico.

Se quiser conhecer mais sobre as propriedades dos alimentos faça o curso online Alimentos Funcionais. O mesmo é perfeito para os que querem aprender mais sobre as propriedades dos alimentos e o impacto dos mesmos na saúde e na prevenção de doenças.

Conheça mais sobre soja, tomate, berinjela, brócolis, mel, açafrão, chá verde, maçã, mirtilo, açaí, dentre tantos outros alimentos. Conversaremos também sobre nutrientes e não nutrientes que podem ser destacados nos rótulos dos alimentos por seu potencial benefício à saúde, incluindo ácidos graxos, carotenóides, fibras e probióticos.

Saiba mais no curso online: Nutrição & Estética

Referências

Johnston, C. S., Kim, C. M., & Buller, A. J. (2004). Vinegar improves insulin sensitivity to a high-carbohydrate meal in subjects with insulin resistance or type 2 diabetesDiabetes Care, 27(1), 281-282.

Johnston, C. S., & Buller, A. J. (2005). Vinegar and peanut products as complementary foods to reduce postprandial glycemia. Journal of the American Dietetic Association, 105(12), 1939-1942.

Panetta, C. J., Jonk, Y. C., & Shapiro, A. C. (2013). Prospective randomized clinical trial evaluating the impact of vinegar on lipids in non-diabetics. World Journal of Cardiovascular Diseases, 3(2).

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Atividade de alimentação consciente para crianças

Os alimentos que consumimos e a forma como os consumimos afeta a nossa saúde. Crianças frequentemente comem em frente à TV, enquanto assistem a desenhos ou jogam videogames. Este hábito infantil aparentemente inofensivo perdura e durante a vida seguimos comendo sem prestar atenção em diferentes situações. O comer sem atenção está associado à maior incidência de excesso de peso, hipertensão, diabetes, dentre tantas outras doenças.

Se você trabalha com crianças ou se possui filhos algumas atividades podem ser feitas para que aprendam a se concentrar no momento da alimentação, a reconhecer a importância dos alimentos, o valor da comida e seus benefícios e importância em nossa vida. 

Uma atividade simples é ensinar as crianças a comerem uma fruta explorando todos os sentidos. Leve, por exemplo, maçãs para a sala de aula (na escola) ou para a mesa da sala de jantar (em casa). Se maçãs forem muito caras escolha outra fruta ou compartilhe a mesma fruta entre duas pessoas.

  • Primeiro lavem as mãos;

  • Se as maçãs não estiverem lavadas lavem-nas também. As crianças também podem ajudar a lavar;

  • Agora sente-se com uma fruta ou um pedaço de fruta à frente;

  • Peça que a criança descreva a cor ou as cores da fruta o melhor que puder, observando-a atentamente;

  • Agora peça que descreva o formato da fruta. Explore outros aspectos: Quem sabe onde a fruta cresce? Qual é a árvore da maçã? O que a macieira precisa para crescer? (luz, calor, água...). Quantas variedades de maçã você conhece? Que nutrientes estão contidos na maçã? Quais são as vantagens da maçã para a saúde? Adapte a conversa para cada faixa etária.

  • O próximo passo é trocar a fruta para descrever sua textura. Crianças pequenas podem se confundir nas descrições. Ajude-as;

  • Depois cheirem a fruta. Feche os olhos. O cheiro é agradável?

  • Abra os olhos e encoste a ponta da língua na fruta. Que tal?

  • Dê uma primeira mordida e mastigue lentamente. Finja que esta é a última maçã da face da terra. Aprecie cada pedacinho para que não se esqueça dela nunca mais.

  • Abra os olhos e coloque de volta a mação à frente, em um prato ou guardanapo. Continue mastigando enquanto admira a maçã.

  • Outra opção é cortar a casca. Ela tem uma textura, sabor, aroma diferente da polpa da fruta? Ajude a criança a fazer este corte.

  • Depois que terminarem: faça uma avaliação. A maçã estava boa? A experiência foi satisfatória (por quê? Todas as respostas são aceitáveis). Você já havia comido uma maçã assim? A maçã de hoje era mais doce ou menos doce do que as que você comeu anteriormente? Você ainda está com fome?

Para saber mais sobre alimentação consciente baixe gratuitamente o eBook ou acesse o curso online:

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Vinagre de maçã ajuda a emagrecer?

O vinagre de maçã está na moda. Recebo perguntas muito variadas. Desde meninas que querem usá-lo para hidratação dos cabelos até pacientes em quimioterapia que o utilizam para regular o pH plasmático. Vamos às evidências científicas:

Já ouviu a expressão  "an apple a day keeps the doctor away" (uma maçã ao dia mantém o médico longe)? De fato, maçãs são ricas em uma série de compostos potencialmente protetores, incluindo:

  • Pectina - fibra solúvel que contribui para a menor absorção de açúcar e colesterol. Também mantém a saúde do trato digestório e protege contra o câncer de colon (Jedychowski & Maugei, 2009);

  • Boro - mineral importante para a saúde do cérebro e ossos;

  • Quercetina - flavonóide que varre radicais livres e reduz o risco de câncer e danos ao DNA;

  • Vitamina C - vitamina com propriedades antioxidantes importantes para a redução do envelhecimento celular, para o aumento da produção de colágeno e melhoria da imunidade;

  • Outros compostos que beneficiam a saúde - carotenóides, vitaminas do complexo B, potássio, magnésio, catequinas, ácido clorogênico (Boyer & Liu, 2004; McCann et al., 2007; Gerhauser, 2008).

Para quem não vai muito ao supermercado as maçãs são uma ótima opção pois seus nutrientes são preservados mesmo após estocagem por longos períodos (Boyer & Liu, 2004). Outra opção é consumir o vinagre de maçã. Estudos mostram que o consumo do vinagre de maçã combate a resistência à insulina (Maryam et al., 2015), protege o fígado de fumantes (Omar et al., 2015) e não fumantes (Omar et al., 2016), inclusive em diabéticos. Reduz o estresse oxidativo e inflamação em pacientes com câncer de mama, quando associado a uma dieta rica em outros polifenóis (Dragan et al., 2007).

Quanto à perda de peso o vinagre vem sido utilizado há muito tempo. Existem relatos na literatura desde 1820. Mas funciona? O vinagre é uma forma de temperar saladas com baixas calorias. Além disso, a solução diluída de ácido acético (4g/100 mL)  demanda energia do organismo para sua metabolização (Kohn, 2015). De fato, o consumo de ácido acético (McCarty, 2014) ativa a enzima AMPK (Proteína quinase ativada pelo AMP), que aumenta a biogênese mitocondrial (Reznick & Shulman, 2006) e estimula a queima de gordura (Ceddia, 2013Hardie & Ashford, 2014). 

Estudo de Kondo e colaboradores (2009) observou que após 3 meses de consumo de 2 colheres de sopa ao dia houve perda de peso, principalmente na região abdominal. Após a suspensão do uso do vinagre os participantes voltaram a ganhar peso.

O consumo de vinagre também estimula a produção de óxido nítrico (Sakakibara et al., 2010). Porém estes efeitos duram apenas cerca de 15 minutos após o consumo de 1 colher de sopa do produto. Já sabemos que uma estratégia isolada não costuma ser eficiente. Hábitos saudáveis, que incluem abstenção do tabagismo, a prática regular de atividade física, a qualidade do sono e da dieta são todos importantes para a saúde.

Assim, outra dica para aumentar o óxido nítrico, favorecendo a vasodilatação e a chegada de nutrientes aos tecidos é consumindo suco de beterraba, uma fonte de nitratos  que melhora a função cognitiva em diabéticos (Gilchrist et al., 2014), a endurance submáxima em idosos (Eggebeen et al., 2016), a função vascular (Kipen et al., 2015) e a pressão arterial sanguínea (Siervo et al., 2013) de adultos.

Mas voltando ao vinagre, use-o na salada sempre que puder! Um estudo antigo da Universidade de Harvard (1999) mostrou que seu uso na salada, junto ao azeite, 5 a 6 vezes por semana, reduzia o risco de doença coronariana isquêmica fatal e arritmias em mulheres. Além dos ácidos graxos do bem do azeite (monoinsaturados) o vinagre melhora a função arterial  (Sakakibara et al., 2010).

E o vinagre balsâmico (feito de vinho tinto), tem um efeito similar? Sim, ele possui 4 vezes mais polifenóis do que o vinagre de arroz, por exemplo (Lizuka et al., 2010). Por isso, possui um efeito protetor contra radicais livres maior do que o de arroz. A adição de vinagre balsâmico à comida parece contrabalancear os efeitos negativos de dietas ricas em gordura (Vogel et al., 2000).

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Bebidas que protegem seu sistema cardiovascular

Bebidas funcionais são produtos não alcoólicos que incluem ingredientes não tradicionais em sua composição (como ervas, vitaminas, minerais e antioxidantes) na tentativa de promover benefícios que vão além da nutrição do organismo.

Um antioxidante é uma molécula capaz de inibir a oxidação (perda de elétrons ou "enferrujamento") de células e moléculas. Fazem isso doando elétrons. Exemplos de substâncias capazes de fazer esta doação são a vitamina C e os polifenóis (presentes em frutas e verduras) e os tióis, compostos organosulfurados (que contém carbono e enxofre), como a glutationa, o aminoácido cisteína e a coenzima A.

Alguns alimentos são ricos em polifenóis como o azeite de oliva extra virgem (não aquecer), o vinho tinto e os chás. Os flavonóides são a principal família de polifenóis e estão presentes como antocianinas nas frutas e legumes roxos, como antocianidinas (semente de uvas vermelhas e pretas, repolho roxo, casca da maçã, folhas do mirtilo e ginkgo biloba) ou como antoxantinas, compostos sem cor divididos nas categorias: flavonas, isoflavonas, flavanóis e flavonódes.

Um desequilíbrio entre substâncias oxidantes (como os radicais livres) e antioxidantes leva ao estresse oxidativo, condição potencialmente danosa e que aumenta o risco de câncer, diabetes, aterosclerose, derrame, trombose venosa, insuficiência renal crônica, doença de Parkinson e mal de Alzheimer. Uma das formas de reduzir o risco de doenças crônicas é protegendo o endotélio vascular, a camada de células que reveste o interior dos vasos (Rajendran et al., 2013).

Um endotélio saudável possui boa capacidade de vasodilatação, suprime a trombose, a inflamação vascular e a hipertrofia celular. Este esquema mostra a diferença do endotélio saudável (A) e do endotélio disfuncional (B). Para saber mais: Rajendran et al., 2013

Um endotélio saudável possui boa capacidade de vasodilatação, suprime a trombose, a inflamação vascular e a hipertrofia celular. Este esquema mostra a diferença do endotélio saudável (A) e do endotélio disfuncional (B). Para saber mais: Rajendran et al., 2013

Após 40 a 50 anos de vida o endotélio passa a não funcionar muito bem, produzindo menos óxido nítrico, responsável pela dilatação dos vasos (Vogel, 1999). Por isso, é mais comum a pressão arterial aumentar após a 4o ou 5a década de vida. Porém, a idade não precisa determinar a perda da função endotelial. Na população chinesa, por exemplo, o endotélio permanece saudável por muito mais tempo (Woo et al., 1997).

Um dos motivos parece ser o alto consumo de chá verde (Alexopoulos et al., 2008). O chá possui flavonóides que neutralizam os radicais livres, protegendo contra a disfunção endotelial e o aparecimento de várias doenças.

Assim como o chá verde, maçãs são ricas em flavonóides.  Os principais flavonóides do chá verde são as catequinas, especialmente epicatequinas, galocatequinas, epigalocatequina-3-galato, epicatequina-3-galato. Já a mação possui outros flavonóides protetores como  a quercetina e seus glicosídeos. As maçãs também são ricas em outras substâncias protetoras como vitamina C e ácido clorogênico. Se você não gosta de chá verde uma das opções é misturá-lo então com a maçã. 

É o que sugere o estudo de Rubio-Perez e colaboradores (2014). No artigo os autores demonstram como prepararam o suchá. Para fazer 1 litro da bebida faça o chá verde (16 gramas de folha de camellia sinensis) em 842 ml de água quente. Coe e misture com 100 ml de suco de maçã concentrado, sumo de 1 limão concentrado. Na pesquisa os autores também adicionaram 58g de trehalose (um tipo de açúcar), mas você pode deixar sem açúcar nenhum na minha opinião.

Outro chá que parece reduzir a disfunção endotelial tanto quanto o chá verde é o chá preto (Jochmann et al., 2008). Mas não vale misturar o chá preto com leite, neste caso o risco de doença cardiovascular permanece alto (Lorenz et al., 2007Wang et al., 2011).

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/