Omeprazol, disbiose intestinal e aumento do risco de doenças crônicas

O omeprazol é um medicamento indicado para tratar o desconforto estomacal em pacientes com úlceras no estômago ou no intestino. Também costuma ser prescrito para pacientes com refluxo, hérnia de hiato ou infecção pela bactéria Helicobacter pylori.

Não tem venda livre, devendo ser prescrito por médicos pois, ao inibir a bomba de prótons, acaba dificultando a digestão de proteínas, a absorção de vitamina B12 e de alguns minerais, aumentando inclusive o risco de osteoporose e anemia.

O uso prolongado de medicamentos do grupo dos prazóis (omeprazol, pantoprazol, esomeprazol etc) causam disbiose intestinal. E, ao desregularem o intestino, aumentam a inflamação e contribuem para o desenvolvimento de hipertensão, insuficiência cardíaca e renal (Kitai e Tang, 2018).

52637299_2337081733202518_5062024081126195200_o.jpg

Para o tratamento da acidez excessiva mudanças no estilo de vida são necessárias. Fatores de risco para a gastrite, incluem, por exemplo, dieta pobre (rica em fast food), deficiências nutricionais, excesso de peso, consumo excessivo de álcool, tabagismo e ansiedade. Para combater os sintomas beba mais água, mastigue bem os alimentos, fracione suas refeições em menores quantidades, divididas em 6 vezes ao dia, pratique yoga para combater o estresse, pare de fumar, consulte um nutricionista e converse sobre a suplementação de nutrientes e compostos benéficos incluindo vitamina B12, vitamina C, probióticos, ômega-3 e extrato de aloe vera. Fazendo estas melhorias e emagrecendo, será muito mais fácil o desmame da medicação.

Aprenda mais sobre nutrição e saúde no curso de formação de coaches de saúde integrativa

Compartilhe e ajude este trabalho a continuar.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Medicamentos para inibir a acidez estomacal aumentam o risco de doenças do coração e demência

images.jpg

Propagandas na TV levam a crer que ao comer demais, uma pessoa deveria automaticamente ir à farmácia e comprar um medicamento para reduzir o desconforto. Grande parte destes remédios são inibidores da bomba de prótons (IBPs), drogas que reduzem a acidez estomacal. Nomes comuns incluem: omeprazol, lansoprazol, pantoprazol, rabeprazol, esomeprazol, dexlansoprazol.

Contudo, nenhum medicamento deveria ser usado sem orientação médica. No caso dos IBPs estudos associam seu uso regular e prolongado ao aumento do risco de demência, doença cardiovascular e insuficiência renal. O que acontece é que quando os vasos sanguíneos são expostos por longos períodos a estes medicamentos começam a acumular compostos tóxicos. Com isso, acelera-se o envelhecimento de vasos que gera o envelhecimento precoce dos mesmos. IBPs também reduzem a quantidade de óxido nítrico nas células. Esta substância é responsável pelo relaxamento dos vasos. Sem óxido nítrico a pressão arterial aumenta.

Azia e refluxo devem ser controlados com dieta adequada (leia mais nos textos anteriores, clicando logo abaixo). IBPs não são protetores, são medicamentos e podem aumentar também o risco de infecções por bactérias como Clostridium difficile, Salmonella e Campylobacter. Isto acontece pois a diminuição da acidez gástrica facilita a proliferação destes microorganismos.

Outros efeitos adversos dos IBPs incluem:

  • Risco de fraturas ósseas (quadril, punho, coluna). O mesmo acontece pois os inibidores de acidez reduzem também a absorção de minerais como cálcio e magnésio;

  • Cansaço e depressão. Isto ocorre pois a baixa acidez diminui a absorção da vitamina B12, fundamental para várias reações no corpo como o amadurecimento das células sanguíneas, a metilação do DNA e a restauração de lesões neurológicas;

  • Maior incidência de Lúpus eritematoso cutâneo, nefrite e pólipos benígnos no estômago.

Mesmo no tratamento de úlceras não costumam ser indicadas dosagens acima de 8 semanas. Antes de usar qualquer medicamento converse primeiro com seu médico.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Excesso de sal = úlcera no estômago?

Cientistas da Uniformed Services University of the Health Sciences (USU) descobriram que dietas ricas em sal podem aumentar a virulência do patógeno Helicobacter pylori (H. pylori), o qual é a causa mais comum de úlceras no estômago e no duodeno.

A pesquisa foi apresentada no dia 22 de maio, no 107º encontro da Sociedade Americana de Microbiologia, realizado em Toronto no Canadá.

O H. pylori é uma bactéria espiralada que vive no ambiente ácido do estômago e do duodeno. A infecção com o H. pylori também causa gastrite e aumenta o risco de câncer de estômago.

Nesta pesquisa, os cientistas observaram que a bactéria se alonga quando as concentrações de sal no estômago são altas, estimulando ainda a transcrição de dois genes responsáveis pela maior virulência da bactéria.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/