Batata doce no combate do câncer

Depois do trigo, do arroz e do milho, a batata é o quarto alimento mais cultivado no mundo. Dentre as variedades de batata destacam-se a ingliesa, doce, asterix, yacon e baroa. Destas, a batata doce é a mais rico em carotenóides, substâncias antioxidantes que fazem com que a coloração da bata doce seja diferenciada. Enquanto a batata inglesa não possui carotenóides uma batata doce média possui mais de 1.000 mg de carotenos, com atividade anti-cancerígena.

batata doce.jpeg

Mulheres na pré-menopausa que consumem mais batata-doce e outras frutas e vegetais ricos em carotenóides têm uma incidência significativamente menor de câncer de mama em comparação com aqueles que consumiram menos carotenóides. Mulheres que consumiam duas ou mais porções diárias de frutas e vegetais ricos em carotenóides tinham um risco 20% menor de denvolverem câncer de mama(Mignone et al., 2009).

Esses achados são consistentes com outros estudos e sugerem que o alto consumo de carotenóides pode reduzir o risco de câncer de mama entre mulheres na pré-menopausa (Gong et al., 2018). Carotenóides também reduzem o risco de câncer de próstata (Hoang et al., 2018).

Carotenóides estão presentes em grandes quantidades em frutas e vegetais amarelos e alaranjados e em verduras de folhas verdes escuras, e são responsáveis por sua coloração vibrante. Estudos experimentais sugerem que os carotenóides podem suprimir o desenvolvimento do câncer de várias maneiras. Certos carotenóides demonstraram inibir a proliferação celular e também a angiogênese, o crescimento de vasos sanguíneos tumorais. Carotenóides dietéticos também parecem suprimir os efeitos estimulantes do estrogênio na proliferação de células de câncer de mama.

Não esqueça de compartilhar
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Coma para combater o câncer

angiogenese.jpeg

Uma das razões pela qual o câncer (cancro, em Portugal) é tão difícil de ser tratado é que quando é diagnosticado, em geral, encontra-se bastante avançado. A grande formação de novos vasos (angiogênese) faz com que as células cancerígenas continuem crescendo e espalhando-se. Assim, para manter as células sobre controle precisamos limitar a angiogênese. Podemos fazer isso por meio da dieta. Comemos várias vezes durante o dia e podemos escolher alimentos e bebidas que reduzam a formação de novos vasos.

  • Consuma brássicas! Brócolis, repolho, couve, couve-flor, agrião, rabanete e rúcula possuem substâncias, como os glicosinolatos e S-metil-cisteína-sulfóxidos, que possuem a capacidade de combater células cancerígenas. Não esqueça de mastigar bem. Quanto mais as brássicas são mastigadas mais liberam de dentro das estruturas vegetais a enzima (mironise) capaz de ativar as moléculas das plantais em substâncias anti-cancerígenas.
  • Tome mais chás. Os chás possuem compostos bioativos capazes de reduzir a angiogênese. Deixe o chá em imersão por pelo menos 5 minutos para aumentar a extração das moléculas protetoras.
  • Faça seu molho de tomate em casa com azeite extra-virgem. Sabia que ao cozinhar seu tomate com azeite este torna-se muito mais eficiente na redução da angiogênese? Ao aumentar a temperatura mais licopeno, um composto antioxidante fica disponível.
  • Consuma soja fermentada orgânica. Missô, tempeh e natto possuem propriedades antiinflamatórias e reguladoras da microbiota intestinal, sem os possíveis efeitos adversos dos estrógenos desta leguminosa.
  • Inclua um alimento, tempero, chá ou condimento antiinflamatório para cada uma de suas refeições.  Pelo menos três vezes ao dia encha seu prato de substâncias anticancerígenas escolhendo alimentos, condimentos, temperos ou chás benéficos.  
Não esqueça de compartilhar
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Para prevenção e tratamento do câncer: açafrão

A curcumina, ingrediente ativo do açafrão (Curcuma longa), é um grande defensor da saúde, reduzindo a inflamação e prevenindo e tratando doenças, como o câncer e o diabetes. A curcumina é capaz de inibir a transformação de células saudáveis em células tumorais, assim como seu crescimento e invasão de outros tecidos (metástase). 

Enquanto drogas "modernas"atuam em um único alvo, a curcumina consegue atuar em vários alvos, sendo importante no tratamento de melanoma, sarcoma, cânceres de trato digestório, geniturinário, ovário, mama, pulmão, cérebro, linfoma, dentre outros. Dentre as atividades farmacológicas da curcumina destacam-se as propriedades anti-inflamatórias, anti-oxidantes e anti-angiogênicas (inibidoras da proliferação de vasos que alimentam células cancerígenas).

Fonte: Mullaicharam, A. R., & Maheswaran, A. (2012). Pharmacological effects of curcumin Mullaicharam A R, Maheswaran A - Int J Nutr Pharmacol Neurol Dis., 2(2): 92-99.

Fonte: Mullaicharam, A. R., & Maheswaran, A. (2012). Pharmacological effects of curcumin Mullaicharam A R, Maheswaran A - Int J Nutr Pharmacol Neurol Dis., 2(2): 92-99.

O efeito anticancerígeno da curcumina também é atribuído à ativação de vias apoptóticas que levam a morte de células com crescimento descontrolado. A angiogênese, que é a formação de novos vasos sanguíneos a partir de vasos pré-existentes, é um passo fundamental no crescimento e expansão de um tumor. Estudos demonstraram que a curcumina inibe a angiogênese em uma ampla variedade de células tumorais através da modulação de várias vias de sinalização celular que envolvem fatores de transcrição, proteínas quinases, fatores de crescimento e enzimas (Shakeri et al., 2018).

De quebra o açafrão ainda reduz a ansiedade contribuindo para o bem-estar de pessoas saudáveis e de pacientes com câncer. A dose recomendada de açafrão para adultos é de uma colher de chá ao dia, misturada com algum óleo (como o de coco ou o azeite) e pimenta para melhor absorção. A prescrição de curcumina na forma de suplementos também pode ser feita por médicos e nutricionistas.

Aprenda mais sobre os alimentos funcionais no curso online: https://bit.ly/2vWndMV

Não esqueça de compartilhar
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Nutrição na prevenção do câncer de pele

1459-skin_cancer-732x549-thumbnail.jpg

O câncer de pele é provocado pelo crescimento anormal e descontrolado das células que compõem a pele, e o seu tipo irá variar de acordo com a camada e célula afetada. Os mais comuns são o carcinoma basocelular, o carcinoma epidermóide e os melanomas.
O carcinoma basocelular e o carcinoma epidermóide são designados como câncer de pele não melanoma, sendo o tipo mais frequente na população. Já o melanoma é menos frequente e mais agressivo.

Apesar do câncer de pele ser de fácil tratamento se identificado no início, pode matar se não tratado. A radiação ultravioleta é o principal fator de risco para o desenvolvimento de câncer de pele, porém outros fatores, como os fatores ambientais (radiação ionizante, intoxicação por metais pesados- arsênico, deficiência de nutrientes antioxidantes) e fatores genéticos (história familiar, tipo de pele) contribuem para o seu desenvolvimento.

Os antioxidantes presentes na alimentação podem atuar ajudando a diminuir os danos oxidativos causados pela radiação UV ou outros compostos com potencial de alterar o DNA celular. Vários alimentos são fontes de antioxidantes, como:

– Carotenóides: melancia, tomate, cenoura, abóbora, mamão, acerola, goiaba, manga, goji berry, espinafre, abóbora. 

– Vitamina C: laranja, morango, acerola, goiaba, mamão, goji berry, lichia, abacaxi, kiwi, camu camu, pimentão, tomate.

– Vitamina E: gérmen de trigo, semente de girassol, avelã, óleo de girassol, amendoim, castanha do pará, amêndoa, pistache, abacate, azeite de oliva.

– Zinco: ostras, nozes, castanhas, semente de abóbora, aveia, frutos do mar.

– Selênio: castanha do Brasil, aveia, arroz integral.

Saiba mais no vídeo de hoje:

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/
Tags ,