Terapias integrativas no tratamento da anorexia

O que sente quando vê uma pessoa magra? Acha as pessoas magras mais ou menos atraentes? Acha as modelos bonitas ou magras demais? Você gostaria de ser mais magro(a)? Vê-se acima do peso, mesmo sabendo que seu peso está dentro da normalidade? São muitas as razões para isto, como as imposições culturais. Porém, dependendo da genética e do grau de perfeccionismo da pessoa, a obsessão com a magreza pode gerar transtornos alimentares sérios. Um deles é a anorexia.

anorexia.jpg

A anorexia nervosa é marcada pela extrema auto-inanição devido a uma imagem corporal distorcida. Pessoas com anorexia pensam que são gordas, independentemente de quão pouco pesem. Monitoram obsessivamente o próprio peso, o tipo e quantidade de comida que consomem. Podem se recusar a comer ou comer apenas quantidades mínimas de comida. Apesar dos graves riscos à saúde associados ao severo baixo peso, aqueles com anorexia recusam-se a vê-lo como um problema.

Embora as mulheres jovens sejam responsáveis pela maioria dos casos, a anorexia pode afetar qualquer pessoa, em qualquer idade. A anorexia é um transtorno estranho, às vezes até defendido e glorificado. Muitos pacientes passam por uma lua-de-mel com a doença. É a fase em que não estão magros demais, ainda não estão tão obsessivos, nem tem tantos pensamentos distorcidos.

Porém, com o agravamento do problema, a lua-de-mel acaba. A anorexia é um transtorno alimentar perigoso, matando 10% dos pacientes. A psicoterapia é o tratamento padrão, podendo ser acompanhado de medicamentos como olanzapina, aripiprazol e dronabinol , que podem pacientes com anorexia a ganhar peso. A olanzapina é um antipsicótico, aprovado para o tratamento do transtorno bipolar, da esquizofrenia e da depressão grave. Aumenta o apetite, mas isto não é garantia de que um paciente com anorexia coma. O aripiprazol pode ajudar a reduzir o sofrimento dos pacientes com a alimentação.

O tratamento psicoterápico geralmente preza por uma abordagem familiar. Os objetivos do tratamento costumam ser: (1) normalizar o peso; (2) adotar hábitos alimentares saudáveis; (3) tratar fatores psicológicos mantenedores do comportamento inadequado; (4) prevenir recaídas. Porém, mesmo aliando-se terapia + medicação, o tratamento continua complexo. Cerca de 20% dos pacientes recuperam-se após nove anos de tratamento e aproximadamente 60% deles, precisam de até 22 anos de tratamento para serem considerados curados. Desta forma, outras abordagens precisam ser estudadas e melhor integradas aos tratamentos convencionais para maior sucesso.

Técnicas que relaxam, tais quais massagem, yoga, acupuntura e meditação vem sendo também testadas como suporte para o tratamento da anorexia nervosa (Fogarty, Smith, Hay, 2016). A hipnose pode ser útil como parte de um programa de tratamento integrado para anorexia nervosa. Pode ajudar a pessoa a fortalecer a autoconfiança. Isso pode resultar em uma alimentação mais saudável, melhora da imagem corporal e maior auto-estima.

É importante lembrar que mesmo depois de algum ganho de peso, muitas pessoas com anorexia permanecem muito magras e o risco de recaída é muito alto. Diversas influências sociais podem dificultar a recuperação:

  • Amigos ou familiares que admiram o quão magra a pessoa é;

  • Instrutores de dança ou técnicos de atletismo que valorizam um corpo muito magro;

  • Negação por parte dos pais ou outros membros da família;

  • A crença da pessoa de que a magreza extrema não é apenas normal, mas também atraente.

Por isto, a terapia familiar torna-se muito importante. O envolvimento dos amigos também pode ser útil, assim como o de um mentor espiritual.

Compartilhe nas suas redes sociais.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

To the bone (O mínimo para viver): o que você achou sobre o filme sobre a anorexia?

No final de semana passado assisti o filme To the Bone (O mínimo para viver), um drama sobre a anorexia nervosa. A atriz Lily Collins vive Ellen, uma jovem artista anoréxica que, apesar de muita dor emocional, acredita ser forte, ter saúde e controle suficiente para levar o corpo ao limite com uma dieta rigorosa, de baixíssima em calorias. O filme retrata uma das internações de Ellen para tratamento da doença...

Read More
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/

Anorexia e o mundo da moda

Após a morte da modelo brasileira Ana Carolina, no final do ano passado, o mundo da moda ficou mais receoso quando o assunto é a anorexia, fazendo com que vários patrocinadores decidissem não contratar beldades extremamente magras para seus desfiles e campanhas. Desta vez, a doença atingiu uma das americanas mais famosas do mundo da moda, a herdeira da marca Versace. Allegra Beck Versace, de 20 anos, hoje com menos de 40 quilos tem recebido tratamento médico a vários meses. Seu grave estado é monitorado 24 horas ao dia por uma equipe de saúde especializada.

Anorexia na internet

Muitos sites estimulam a perda de peso de forma inapropriada. A moda de contar calorias com a ajuda da internet e de relatar a perda de peso em blogs começou a menos de 10 anos e ainda não foi bem estudada. O problema é que muitas comunidades online encorajam uma perda de peso arriscada. Alguns temas propostos nos web sites promovem desordens alimentares ao abordar a perda de peso como o meio de atingir controle e até a perfeição. Alguns sites glorificam atitudes como vomitar, e adotar estratégias malucas como escovar os dentes sempre que sentir fome, tomar banho gelado para queimar mais calorias etc. Contar calorias passa de hábito à neurose. Alguns sites ensinam até mantras como: "fome machuca mas funciona"! Fotos de meninas extremamente magras também são postadas como fonte de "inspiração". Eu recomendo que os pais monitorem o que as crianças acessam na internet. Muitas meninas, tão novas quanto 11, 12 ou 13 anos, chegam a estes sites inocentemente procurando dicas para perder peso e aderem às comunidades que incentivam os comportamentos errôneos. Uma pesquisa nos EUA mostrou que a maioria dos pais com filhas portadoras de distúrbios alimentares, não sabiam que existem na internet sites que propagam informações deturpadas sobre saúde e beleza.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/