Infecções vaginais por cândida - tratamento convencional e ayurvédico

download.jpeg

A Candida albicans é uma levedura presente naturalmente na vagina. Porém, quando outros microorganismos morrem, ou seja quando a microbiota vaginal desequilibra-se a cândida pode prolifera-se exageradamente. Também pode aumentar muito quando a imunidade cai, causando corrimento espesso e esbranquiçado, que pode ser acompanhada de irritação no local.

Alguns fatores facilitam a proliferação da cândida, como uso de antibióticos, gravidez, diabetes, infecção pelo vírus HIV, deficiência imunológica, uso de anticoncepcionais e corticóides, relações sexuais com parceiro contaminado, uso de roupas apertadas e biquínis molhados, prática de duchas vaginais, intolerância à glicose ou diabetes.

A infecção é facilmente tratável. O problema surge quando a mesma é recorrente; ou seja, quando ocorre várias vezes por ano. A medicina moderna trata o problema com antimicóticos via oral, além da utilização de creme vaginal de uso tópico. Porém, sem o fortalecimento da imunidade a cândida pode voltar. Para correção do pH podem ser utilizados probióticos, que regulam simultaneamente a microbiota vaginal e intestinal. Para a correção da glicemia, dieta de baixo índice glicêmico ou cetogênica é recomendada.

Já o Ayurveda, a medicina tradicional da Índia, considera a candidíase vaginal uma condição causada pelo agravamento dos doshas de Kapha e Pitta. De fato, um ambiente perfeito da vagina depende de um estado ideal de equilíbrio dos níveis sistêmicos e locais. Um excesso de Kapha aumenta o pH, enquanto um excesso em Pitta reduz o nível de pH abaixo do normal. Ambas as situações não são boas para a saúde vaginal. Entenda o que significa Vata, Pitta e Kapha e como equilibrá-los no curso online “A essência do Ayurveda".

Para o Ayurveda, o manejo adequado da candidíase depende da redução da população de leveduras no corpo, aumentando a população de bactérias benéficas, limitando e controlando os gatilhos da levedura (como o consumo de açúcar), fortalecendo a saúde geral, controlando o diabetes (um distúrbio dominado pelo Kapha) e equilíbrio os doshas Kapha e Pitta.

O ideal é seguir uma dieta apaziguadora, mas não provocadora de kapha. Assim, consuma quantidades moderadas de alimentos, especialmente aqueles com qualidades pacificadoras de Kapha como vegetais folhosos, quinoa, aveia, feijão e frutas como maçã, mamão, goiaba, laranjas. Frutas e vegetais muito doces e / ou azedos (como tomates) devem ser evitados. Trocar carnes vermelhas por carnes brancas e magras.

Para acalmar Pitta, aconselha-se o consumo de alimentos temperados com ervas refrescantes como hortelã, erva-doce e coentro. Açafrão, cominho e alho, embora quentes podem ser usados em pequenas quantidades. Ervas como triphala, manjistha, neem, ashoka, vidanga e musta são úteis e podem ser prescritas por um terapeuta ayurvédico.

Os líquidos devem ser tomados uma hora antes ou uma hora após as refeições, de modo a não diluir os sucos digestivos. Se tiver sede, tome pequenos goles junto às refeições. Óleo de coco, azeite e ghee podem ser utilizados para temperar a comida. Chás mornos interessantes são os de hortelã, sementes de coentro e funcho (2 colheres de chá para 300 mL de água).

Evite alimentos que agravam Kapha como açúcar e alimentos açucarados, frutas muito doces, pão branco, arroz branco, macarrão e massas em geral. Por fim, coma apenas quando estiver com fome. Mais sobre este tema no curso “Alimentação Consciente".

A cândida também pode aumentar em situações de estresse, pois este reduz a imunidade. Pratique yoga e medite.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/