Regressão em adolescentes com síndrome de Down

Um número crescente de relatos clínicos tem mostrado regressão inesperada em adolescentes e adultos com síndrome de Down (SD). A regressão pode envolver alterações no funcionamento cognitivo e adaptativo, na função motora, nas habilidades de comunicação ou no comportamento.

Os pais devem observar modificações relacionadas ao comprometimento cognitivo-executivo, assim como maior retraimento social, perda de linguagem funcional e de habilidades adaptativas previamente adquiridas. Em geral, caracteriza-se a regressão quando as alterações possuem duração superior a 3 meses (Chicoine & Capone, 2018).

1-s2.0-S0891584918323256-fx1.jpg

Um dos fatores responsáveis pela regressão pode ser a neuroinflamação gerada pelo acúmulo de metais pesados no tecido nervoso. O cérebro de pessoas com síndrome de Down é mais vulnerável ao estresse oxidativo, a carências nutricionais e à intoxicação por metais pesados. Em camundongos Ts1Cje, usado como modelo genético para o estudo da SD, há maior acúmulo de cobre no hipocampo e no córtex cerebral. O cobre aumenta a quantidade de radicais livres circulando no cérebro, oxida lipídios e aumenta o acúmulo de de emaranhados de proteína tau, envolvida em alterações comportamentais e no aumento do risco da doença de Alzheimer.

O cobre é importante para o cérebro mas deve estar dentro das células. Em pessoas com Alzheimer o equilíbrio do cobre parece estar comprometido, com excesso de cobre no amilóide (Bush, 2013). Discuto muitas questões relacionadas à suplementação de compostos específicos no curso online. Saiba mais aqui.

Compartilhe e ajude este trabalho a continuar.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/