O consumo de açúcar aumentou em 46% no mundo nos últimos 30 anos. O que isso significa para a saúde?

O açúcar (sacarose) é um carboidrato simples, formado por uma molécula de glicose unida a uma molécula de frutose. Pode estar presente no alimento de forma natural (como na cana-de-açúcar, na beterraba, cenoura, ervilha, milho e frutas como manga, banana e pêssego). Também pode ser adicionada artificialmente a alimentos diversos, como xarope de milho, doces, biscoitos, bolos, sorvetes, sucos, refrigerantes, pães, ketchup e outros molhos, carnes curadas e alimentos do tipo fast food. E é aí que mora o problema. Frutas e verduras contém (além de pequenas quantidades de açúcares, fibras, vitaminas, minerais, fitoquímicos). Já os alimentos processados e ultraprocessados contém poucos nutrientes e uma alta quantidade de carboidratos simples.

O açúcar adicionado aos alimentos industrializados possui duas funções: melhoria do sabor e prolongamento da vida útil. Com o aumento do consumo de açúcar em todo o mundo, cresceu também a prevalência de obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares, Alzheimer, esteatose hepática. Quantidades excessivas de açúcar sobrecarregam o fígado e as artérias, elevam a pressão e desencadeiam a inflamação crônica.

A American Heart Association sugere que os homens não consumam mais do que 150 calorias (cerca de 36 gramas), o que equivale a uma lata de refrigerante ou a um copo de suco. Ao adicionar sobremesas, bolos e outros alimentos açucarados à dieta esta quantidade rapidamente multiplica-se. O brasileiro consome 4 vezes mais do que o recomendado. O Japão, um dos países mais longevos do mundo possui um consumo bem próximo a esta recomendação (meus amigos japoneses não conseguem comer brigadeiro - dizem que é muito doce para eles).

A leitura dos rótulos dos alimentos é uma das melhores maneiras de monitorar sua ingestâo de açúcar. Procure na lista de ingredientes por nomes como açúcar, açúcar mascavo, açúcar demerara, xarope de milho, xarope de glicose, xarope de frutose, açúcar de malte, melaço, melado, mel. Não quer o trabalho de ler rótulos? A melhor alternativa é adotar uma dieta a base de alimentos naturais, o menos industrializada possível.

Busque também alternativas para suas preparações. Dá para fazer em casa bolos adoçados naturalmente com frutas, dá para substituir o açaí industrializado (e que é cheio de xarope de guaraná, mel e açúcar) por opções mais saudáveis. Basta bater a fruta ou a polpa do açaí com bananas bem maduras congeladas.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/
Tags