Probióticos, paraprobióticos, prebióticos e pós-bióticos na preservação da saúde

Estes nomes esquisitos todos querem dizer uma coisa só: cuide melhor do seu intestino e preserve sua saúde por mais tempo. O intestino possui um sistema imune próprio, que comunica-se com o restante do corpo. Para que o intestino esteja saudável são necessários probióticos (bactérias boas vivas), paraprobióticos (bactérias boas inativas ou pedaços das mesmas), prebióticos (fibras que alimentam estas bactérias boas) e pós-bióticos (substâncias produzidas pelas fibras a partir da fermentação das fibras prebióticas).

A Organização Mundial da Saúde define probióticos como “microorganismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas, conferem benefício para a saúde”. Probióticos vivos podem ser encontrados em alimentos como iogurte, leite fermentado, missô, tempeh, kombucha e também em suplementos. São muitas as variedades de bactérias probióticas. As pesquisas frequentemente usam lactobacillus acidophilus, lactobacillus casei shirota, lactobacillus rhammnosus, lactobacillus defensis, lactobacillus bulgaricos, bifidobacterium bifidum, bifidobacterium animallis, bifidobacterium lactis, bifidobacterium longum, streptococcus salivarius e thermophillus.

probioticos.jpg

Os prebióticos são substâncias alimentares que nutrem as bacterías probióticas. Os mais estudados são: oligofrutose, inulina, galactooligossacarídeos, lactulose, amido resistente. Simbióticos são produtos que combinam bactérias probióticas e fibras prebióticas.

Os pós-bióticos são as substâncias produzidas pelas bactérias. Incluem enzimas, peptídeos, ácidos graxos de cadeia curta, polissacarídeos, dentre outras substâncias. Possuem atividades anti-inflamatórias, imunomoduladoras, anti-obesogênicas, anti-hipertensivas, hipocolesterolêmicas, antiproliferativas e antioxidantes. Essas propriedades sugerem que os pós-bióticos podem contribuir para a melhoria da saúde do hospedeiro, melhorando as funções fisiológicas, embora os mecanismos exatos ainda não tenham sido totalmente elucidados (Aguilar-Toalá et al., 2018).

Assim como as bactérias probióticas vivas, micróbios inativos (os paraprobióticos) também treinam o intestino, melhorando a imunidade. A utilização de paraprobióticos parece segura mesmo em pacientes graves ou em tratamento contra o câncer. Sua ação deve-se à presença de substâncias na parede celular das bactérias (MAMPś ou padrões moleculares associados a microorganismos) que são reconhecidas por receptores no intestino humano provocando a melhoria da imunidade.

Nos laboratórios, bactérias podem ser submetidas a tratamento térmico específico. As mesmas são mortas mas os MAMPs permanecem. Em contato com o intestino, reduzem a inflamação, sendo indicados para a prevenção e tratamento de várias doenças como artrite, colite e até câncer. O câncer desenvolve-se quando células alteradas deixam de ser combatidas pelo sistema imune. Para fortalecer a imunidade a dieta é fundamental. Proteínas, vitaminas, minerais, fitoquímicos e alimentos fermentados obtidos a partir de uma dieta variada e colorida.

Compartilhe e ajude este trabalho a continuar.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/