Mentalidade adequada para o emagrecimento - parte 2

Muitos adultos passaram a vida fazendo dietas e tentando emagrecer. Muitas destas dietas reforçaram a mentalidade e os padrões comportamentais que não favorecem a perda de peso saudável e sustentável. Mudar a alimentação sem mudar a mentalidade não funciona.

Uma mentalidade muito comum é pensar: “Quanto posso comer?". ou “Quantas calorias existem neste alimento?”. Esta mentalidade é cansativa e restritiva. E ninguém gosta de passar por restrições. Afinal, comer é um prazer. Existem muitas pessoas magras que comem o que as pessoas que estão fazendo dieta tanto desejam. Mas comem somente o quanto precisam. Não comem até passar mal ou sentirem-se desconfortáveis. Um dos segredos então é mudar o pensamento para “Quanto vou aproveitar?".

A escolha de uma alimento com poucas calorias mas que você não gosta ou que não lhe dará prazer na verdade não ajuda na dieta. A contagem de calorias nos faz ignorar os sinais de fome e saciedade. Por que? Imagine que definiu que só pode consumir 200 kcal na próxima refeição. Mas talvez na próxima refeição você esteja com muita fome. Comerá apenas 200 kcal. Ou talvez não esteja com fome nenhuma. Mesmo assim comerá 200 kcal? Agir desta forma reforça a crença de que não pode confiar em seu corpo. De que não consegue fazer boas escolhas por conta própria. E o pior, com o tempo, este tipo de conduta faz com que perca de vez a capacidade de saber se está ou não com fome. Não coma apenas porque é a hora de comer. Não coma apenas porque há comida na sua frente.

Quando mudamos a mentalidade de “Quanto posso comer?” para “Quanto vou aproveitar?”, recuperamos nossa autoridade sobre o que queremos e precisamos. Pessoas que naturalmente pesam menos não são obcecadas por calorias. Comem quando precisam.

Não é que saber as calorias dos alimentos seja sempre ruim. Pode ser uma ferramenta a mais, mas não precisa ser a sua única forma de informação ou motivação sobre sua alimentação. Os sinais de fome, seu prazer com a comida no momento, como você se sente depois de comer são também informações valiosas para sua tomada de decisões sobre o que, como e quanto comer. Confie na sua sabedoria interna, tanto quanto confia nas fontes de informação externas. Encontre um equilíbrio.

No próximo texto você conhecerá a escala da fome e da saciedade. Siga-me no facebook para ser notificado sobre o próximo artigo.

Compartilhe e ajude este trabalho a continuar.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/