Dieta Budwig no combate ao câncer

A dieta Budwig ou protocolo Budwig é um plano alimentar criado em 1952 pela bioquímica alemã Johanna Budwig  para ajudar no tratamento do câncer. A dieta consiste na eliminação de alimentos industrializados, carnes processadas, açúcar, manteiga e margarina e óleos inflamatórios. A dieta é rica em frutas e verduras mas seu diferencial está no consumo de várias porções diárias de queijo cottage misturado com óleo de linhaça.  A linhaça é rica em ácidos graxos poliinsaturados com propriedades antiinflamatórias.

Para fazer a mistura para a dieta Budwig, a recomendação é de misturar 1 colher de sopa de óleo de linhaça para cada 2 colheres de sopa de queijo cottage até que o óleo não seja mais visível. No total os pacientes consomem cerca de  6 colheres de sopa de óleo de linhaça ao longo do dia.

Infelizmente, os estudos acerca deste protocolo para o tratamento do câncer são inconclusivos. Contudo, existem evidências de que o óleo de linhaça de fato seja benéfico para a prevenção e tratamento do câncer. Em um estudo publicado no Cancer Prevention Research Journal camundongos alimentados com sementes de linhaça tiveram um número reduzido de novos tumores de pulmão em comparação com os que seguiram uma dieta sem semente de linhaça (Chikara et al., 2017).

Flaxseed-Oil-STACK.jpg

Outra pesquisa também mostra que galinhas com câncer de ovário que consumiram maior quantidade de linhaça tiveram menos tumores e melhores resultados após um ano do que as que não consumiram a semente (Ansenberger et al., 2010).

Embora existam evidências de que a linhaça possa combater o câncer em animais, não há muita pesquisa disponível sobre o efeito da linhaça em humanos com câncer. Por exemplo, Meiners em 2011 publicou estudo de caso acerca de uma paciente de 41 anos com câncer de mama que entrou em remissão. Contudo, além do óleo de linhaça a paciente também fez uso de ômega-3, coenzima Q10, vitamias B2 e B3, um fitoterápico (Boswellia serrata). Passou também por terapias tradicionais, incluindo quimio e radioterapia. Ou seja, não há como tirarmos conclusões acerca da importância do óleo de linhaça neste tratamento.

Outro pequeno estudo mostrou que uma dieta restrita em gordura, suplementada com óleo de linhaça, reduziu os níveis de testosterona e o tamanho dos tumores antes da cirurgia de homens com câncer de próstata (Demark-Whanefried et al., 2001).

Embora esses resultados sejam encorajadores, estudos maiores e com grupo controle precisam ser realizados para que possamos chegar a uma conclusão sobre a eficácia da linhaça no tratamento do câncer. Como efeitos colaterais, o consumo exagerado de óleo de linhaça pode gerar dor de estômago, flatulência e diarreia. Comer linhaça sem beber água suficiente pode levar a uma maior chance de desenvolvimento de obstrução intestinal. Antes de suplementar converse com seu médico e seu nutricionista.

Compartilhe se achou interessante.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!
Tags