Apneia do sono na Síndrome de Down

Pessoas com síndrome de Down são mais suscetíveis à apneia obstrutiva do sono do que o restante da população. Enquanto na população típica a frequência de apneia é de 2%, na síndrome de Down pode atingir entre 50% e 80% das pessoas.

Isso pode ocorrer por diferentes motivos como maior frouxidão dos músculos da garganta; aumento do tamanho das amígdalas e adenoides; e menor passagem de ar pelas vias aéreas superiores.

apneia.png

Se a passagem de ar na parte de trás da garganta é deficiente ou está bloqueada durante algum momento da noite, a criança ronca e acorda pela dificuldade de respirar. Se a criança tem o sono agitado é aconselhável colocar uma grade protetora ao lado da cama para que ela não caia no chão).

O tratamento é importante pois crianças que não dormem ficam mais sonolentas durante o dia, apresentam mais dificuldades escolares, mudanças de comportamento e prejuízos na memória. 

O médico do paciente indicará tratamentos que podem incluir uso de aparelhos para melhorar o fluxo de oxigênio durante o sono, cirurgia de amígdalas e/ou adenóides, reposicionamento corporal na hora de dormir, elevação da cabeceira da cama.

O excesso de peso agrava a apnéia do sono. Por isto, modificações na dieta também podem ser necessárias. Discuto muitas questões relacionadas à suplementação de compostos específicos no curso online. Saiba mais aqui.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!