Dieta sustentável - nova publicação do professor Willet (Harvard)

walter-willett-900x600.jpg

De todas as minhas lembranças estudando na Faculdade de Saúde Pública de Harvard as mais marcantes relacionam-se aos professores realmente vivendo o que pregavam. Lembro do professor Walter Willet (foto) chegando diariamente no campus pedalando sua bicicleta. E almoçando conosco no buffet saudável da faculdade.

Este mês publicou na revista Lancet , em parcerias com outros estudiosos da área de nutrição e saúde pública, um novo artigo sobre a necessidade de reduzirmos o consumo de alimentos à base de carnes, laticínios e açúcares. A alimentação sustentável é um tema de pesquisa importante de um grupo grande de pesquisadores, seguindo as orientações da ONU em relação aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e também o Acordo de Paris sobre as alterações climáticas.

Os sistemas alimentares têm o potencial de nutrir a saúde humana e apoiar a sustentabilidade ambiental, no entanto, nossas trajetórias atuais ameaçam ambos. O grupo de pesquisadores aborda no artigo a necessidade de alimentar uma população global crescente com uma dieta saudável, que seja ao mesmo tempo sustentável e que minimize os danos ao nosso planeta.

A Comissão de pesquisadores descreve quantitativamente uma dieta universal de referência saudável, baseada no aumento do consumo de alimentos de origem vegetal (como vegetais, frutas, grãos integrais, legumes e nozes) e uma diminuição no consumo de alimentos de origem animal (carnes, principalmente a vermelha e laticínios) e alimentos ultraprocessados, cheios de açúcar e frequentemente feitos com grãos refinados, como farinha branca.

O grupo de pesquisadores defende a redução no consumo de carnes, produtos lácteos e açúcares em 50% até 2050, enquanto a ingestão de vegetais e sementes deve dobrar no mesmo período, não só para alcançar melhorias na saúde da população, mas também para preservar o meio ambiente.

O modo como os alimentos são produzidos, o que é consumido e quanto é perdido ou desperdiçado influencia fortemente a saúde das pessoas e do planeta. A comissão responsável pela publicação do estudo mostra que é possível alimentarmos 10 bilhões de pessoas com uma dieta saudável dentro de limites planetários seguros para a produção de alimentos até 2050. Também mostra que a adoção universal de uma dieta saudável ajuda a evitar a degradação ambiental, além de 11 milhões de mortes humanas por ano.

Para tanto a FAO (Food and Agriculture Organization) recomenda a aplicação de componentes chaves para uma dieta sustentável, envolvendo a acessibilidade aos alimentos, sistemas de cultivo e produção que respeitem a biodiversidade, a cultura e a sazonalidade, que gerem bem-estar, saúde e baixo impacto ambiental, que valorizem o cultivo amigável, a agricultura familiar e os alimentos locais e que o comércio destes alimentos seja justo e com equidade. Também orienta que as escolhas alimentares devem levar em considerações os impactos ambientais envolvidos na produção do alimento em questão. No relatório Sustainable Diet And Biodiversity apresenta a Pirâmide Ambiental, que ilustra o nível de impacto ambiental de cada grupo de alimentos presente na pirâmide alimentar.

the_Double_Pyramid.jpg.860x0_q70_crop-scale.jpg

                                                 

Nesta pirâmide fica claro que o consumo de alimentos de origem animal demandam maior quantidade de recursos naturais não renováveis e que contribuem para maior emissão de gases do efeito estufa, enquanto os alimentos de origem vegetal são aqueles com menor impacto ambiental. Um exemplo de dieta que pode ser considerada sustentável é a Dieta Tradicional Mediterrânea, uma vez que possui biodiversidade e qualidade nutricional de alimentos, bem como variedade de práticas alimentares e técnicas de preparo, tem forte compromisso com a cultura e com as tradições, respeita a natureza humana e a sazonalidade e apresenta impacto ambiental reduzido pelo baixo consumo de produtos de origem animal.

O Brasil também possui uma rica biodiversidade que precisa ser valorizada. Seguem algumas dicas:

  • Consumir mais alimentos orgânicos, biodinâmicos e aqueles grupos alimentares com menor impacto ambiental - como frutas,verduras, legumes, cereais integrais e leguminosas;

  • Reduzir gradativamente o consumo de carnes e outros produtos de origem animal;

  • Diversificar a dieta, com Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCs), espécies comestíveis nativas, ricas nutricionalmente e que se desenvolvem espontaneamente sob diferentes condições ambientais e climáticas

  • Incentivar a agricultura familiar, pelo consumo das regionais, produzidos o mais próximo possível de sua residência e/ou trabalho.

  • Desperdiçar menos comida;

  • Consumir menos produtos alimentícios industrializados ultraprocessados.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/