Disfunção mitocondrial na síndrome de Down

Estudo recém publicado avaliou, por meio de Ressonância Magnética Nuclear, amostras de plasma e urina, evidenciando diferenças metabólicas entre pessoas com síndrome de Down e pessoas típicas. Pessoas com síndrome de Down apresentam maiores concentrações de piruvato, succinato, fumarato, lactato e formato, compostos produzidos no início ou durante o ciclo de Krebs (Caracausi et al., 2018).

Essas alterações sugerem um desequilíbrio entre o funcionamento do ciclo de Krebs e da cadeia transportadora de elétrons, na mitocôndria. O ciclo de Krebs é uma via metabólica central para regulação do metabolismo celular e equilíbrio energético. O acúmulo de metabólitos do ciclo de Krebs poderia sugerir um desequilíbrio devido à comprometimento de certas enzimas ou mau funcionamento das mitocôndrias. A superexpressão do gene Hsa21 NRIP1 parece ser uma das causas da disfunção das mitocôndrias, prejudicando a capacidade de produção energética das células. Outra causa da disfunção mitocondrial (no cérebro) é o acúmulo de proteína beta amilóide.

mitocondria.jpg

Saber que compostos estão alterados durante o metabolismo celular nos ajuda a pensar que nutrientes precisamos suplementar para melhorar o funcionamento mitocondrial. Estes temas serão abordados na próxima turma de atualização em Nutrição na Síndrome de Down. Não deixe de se inscrever: http://andreiatorres.com/blog/grupo-fechado-sd

Compartilhe se achou interessante.
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!