Importância da vitamina C para a saúde

A vitamina C (ácido L-ascórbico ou ascorbato) é um composto sintetizado nas folhas das plantas. Seres humanos não conseguem realizar a síntese da vitamina C pela falta da enzima gulonolactona oxidase. Desta forma, a vitamina C deve obrigatoriamente consumida por meio de uma dieta variada, rica em frutas e verduras.

A vitamina C desempenha uma série de funções no organismo. Todas elas são atribuídas à capacidade do ácido ascórbico doar elétrons. Com isso torna-se um radical livre (ascorbato) que é, entretanto, bastante estável e não reativo.

Screen Shot 2018-11-28 at 3.04.43 PM.png

Depois da formação o radical ascorbato pode receber novamente um elétron restaurando a vitamina C em sua forma antioxidante, pode participar de outras reações ou pode ser eliminado pela urina. O ascorbato é cofator de muitas enzimas, sendo importante, por exemplo, para a formação de colágeno, de neurotransmissores (dopamina, noradrenalina), confere estabilidade a hormônios (ACTH, ADH, ocitocina, colecistocinina).

Também melhora a absorção de ferro de alimentos de origem vegetal (como couve, brócolis e espinafre) pela redução de ferro férrico (Fe+3) em ferro ferroso (Fe+2) no intestino. A vitamina C possui ainda potencial anti-histamínico, reduzindo sintomas alérgicos. Por fim, inibe a formação de nitrosaminas, composto cancerígeno que pode ser formado no trato gastrointestinal após o consumo de alimentos como carnes processadas.

recomendação vit. C.png

A necessidade de vitamina C varia com a idade, sexo, condição fisiológica ou presença de doença. A característica clínica da deficiência grave e prolongada denomina-se escorbuto, que é fatal quando não tratado.

Os sintomas do escorbuto incluem cicatrização prejudicada de feridas, gengivite, hemorragias, equimoses, petéquias, cansaço.

As pessoas em maior risco são aquelas com dietas isentas de frutas e verduras, fumantes, pessoas que praticam atividade física extenuante, indivíduos com sobrecarga adrenal ou alterações na produção de cortisol.

Infelizmente, não existem estudos suficientes para fazer recomendações acerca da suplementação de vitamina C em pacientes críticos. Desta forma, pacientes graves em uso de nutrição enteral e/ou parenteral em geral recebem as doses padrão de vitamina C e outros antioxidantes.

Para mais informações sobre o tema indico os cursos online “Nutrição Básica” e “Nutrição Enteral e Parenteral”.

Obrigada por compartilhar!
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!
Tags