Leucemia e obesidade na Trissomia do Cromossomo 21 (Síndrome de Down)

03.jpg

Crianças e adolescentes com Síndrome de Down (SD) são mais propensos a ter sobrepeso ou obesidade do que aqueles sem SD. Quando, além da trissomia do cromossomo 21, a pessoa desenvolve leucemia linfóide aguda (LLA) o risco de excesso de peso aumenta.

A LLA é um tipo de câncer das células sanguíneas, caracterizada pelo desenvolvimento de células imunes imaturas. Os sintomas mais comuns são cansaço, palidez, febre, facilidade em ferir-se, aumento do volume dos gânglios linfáticos e dor óssea. Desenvolve de forma agressiva, sendo a mortalidade elevada quando o tratamento não é adequado.

Pessoas com SD desenvolvem a LLA em taxas mais altas que a população geral, e o tratamento quimioterápico está associado ao ganho excessivo de peso. Durante o tratamento podem surgir vários efeitos colaterais como diarreia, náuseas, vômitos, anemia, distorção do paladar. Muitas crianças desenvolvem no período preferência por lanches rápidos como pão, iogurte, bolo e leite. Sozinhos os mesmos não suprem as necessidades nutricionais das crianças. A variedade nutricional é fundamental em todas as fases da vida, inclusive durante o tratamento do câncer.

Após o tratamento a criança pode desejar manter o padrão monótono com pão, bolo e laticínios. A carência de vitaminas, minerais, fitoquímicos e o excesso de carboidratos simples pode contribuir para o ganho exagerado de peso em fases posteriores da vida. Este e outros temas relacionados à síndrome de Down serão discutidos no grupo de estudos, que começa na primeira semana de janeiro. Saiba mais:

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar envie uma mensagem: http://andreiatorres.com/contato/