Apneia Obstrutiva do Sono na Síndrome de Down (trissomia do 21)

Segundo a literatura internacional, cerca de 40 a 80% dos pacientes com síndrome de Down (trissomia do cromossomo 21) têm algum distúrbio do sono. Uma preocupação é a síndrome da apneia obstrutiva do sono (SAOS), perturbação respiratória que interrompe o fluxo respiratório durante o sono por mais de 10 segundos e mais de 5 vezes por hora.

300px-Obstruction_ventilation_apnée_sommeil.svg.png

Na síndrome de Down, a alta prevalência decorre de uma combinação de fatores anatômicos e funcionais, como alterações craniofaciais, tamanho da língua aumentado, hipertrofia de adenoide e amígdalas, obesidade e hipotonia da musculatura.

A consequência direta da apneia do sono é a alteração do padrão do sono, onde há uma incapacidade de se atingir as fases mais profundas e restauradoras. Como resultado, a pessoa não sente-se descansada pela manhã. Pode ter sonolência durante o dia, dores de cabeça, irritabilidade e alterações do humor. Nas situações mais graves poderá haver deterioração intelectual, da atenção, memória e raciocínio.

Os principais sintomas da SAOS são ronco, respiração bucal, movimentação intensa durante o sono, sonolência diurna, dormida em posições diferentes, além de alterações cognitivas e comportamentais como déficit de atenção e hiperatividade. A polissonografia deve ser realizada rotineiramente aos 4 anos de idade. Entretanto, caso o paciente apresente estes sintomas, o exame deve ser solicitada antes desta idade.

O tratamento da apneia é multiprofissional e varia de acordo com as causas e com a gravidade do caso. Dentre as estratégias estão: (1) tratamento da obstrução nasal; (2) resolução do refluxo gastroesofágico; (3) perda de peso, no caso dos pacientes obesos; (4) posicionamento ideal para dormir; (5) uso de prótese oral para evitar a queda da língua para trás; (6) uso de máscaras especiais que mantêm pressão positiva sobre as vias aéreas, evitando a obstrução - CPAP ou BIPAP; (7) cirurgia para remoção da amígdala e/ou adenóide.

Lembrando que além da apnéia, crianças com síndrome de Down (assim como crianças típicas) podem apresentar problemas no sono comportamentais. Pode acordar repetidas vezes, acordar cedo demais, querer dormir na cama dos pais, não querer dormir à noite, ter pesadelos. Existem também outras questões que podem afetar o sono como falta de rotina, fome noturna, excesso de consumo de alimentos à noite, carências nutricionais (que interferem na produção de hormônios como a melatonina), sonambulismo e doenças (como epilepsia).

Saiba mais no curso de atualização em nutrição na SD:

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!