Derrame cerebral é a principal causa de disfagia (dificuldade para engolir) em pacientes hospitalares

O Acidente Vascular Cerebral (AVC) ou derrame é a principal causa de disfagia em pacientes internados. A disfagia corresponde a uma dificuldade em engolir, o que significa que a pessoa demora mais tempo e precisa se esforçar mais para mover os alimentos sólidos ou líquidos desde a boca até ao estômago. A disfagia pode, por vezes, ser acompanhada de dor o que, em casos extremos, impossibilita totalmente a deglutição.

Pode ocorrer em qualquer idade, mas é mais comum nas pessoas idosas. Alguns estudos sugerem uma incidência que pode atingir os 30 a 40%. Em pacientes pós AVC pode atingir 60% ou mais. O ato de deglutição é bastante complexo e o AVC pode interferir em vários processos. Outra causa importante para disfagia é o câncer de cabeça e/ou pescoço.

Como a disfagia afeta a qualidade de vida e a integração social e aumenta a morbi-mortalidae pós AVC é necessária a implementação precoce de um plano de reabilitação. O mesmo contempla a monitorização e correção do estado nutricional, a avaliação da capacidade de deglutição, modificações de dieta (e medicação), espessamento de líquidos ou adoção da terapia nutricional enteral (entérica, em Portugal), treino para utilização de produtos de apoio, correção postural, acompanhamento da função respiratória.

A equipe de cuidados é multiprofissional. Inclui equipe médica, enfermeiros, fonoaudiólogos ou terapeutas da fala, terapeutas ocupacionais e nutricionistas. A identificação, avaliação precoce (em até 4 horas) e tratamento da dificuldade de deglutição minimizam o desenvolvimento de complicações secundárias.

No caso de necessidade de terapia nutricional enteral prolongada (por mais de 3 semanas), a técnica hoje considerada padrão ouro para seu posicionamento é a gastrostomia endoscópica. No curso online Terapia nutricional enteral e parenteral ensino a nutricionistas e médicos as fórmulas básicas para cálculo das necessidades de seus pacientes com vistas a recuperação ou manutenção do estado nutricional, melhorando a qualidade de vida e reduzindo a morbi-mortalidade.

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!
Tags