Excesso de estrogênio - causas, consequências e tratamento

Infertilidade, TPM louca, mudanças súbitas de humor, ganho de peso, baixa da libido - todas estas alterações podem estar relacionadas com desequilíbrios hormonais, como o excesso de estrogênio.

Funções do estrogênio

O estrogênio é um hormônio super importante. É produzido pelo ovário e influencia o tamanho dos seios, a textura e o brilho da pele, além de preparar o útero para receber o bebê, caso o óvulo seja fecundado. Também influencia a distribuição da gordura no corpo da mulher e protege as células nervosas. A deficiência de estrogênio aumenta ondas de calor na menopausa, causa ressecamento vaginal, insônia, problemas de memória.

Porém, quando o estrogênio está muito elevado em relação a outros hormônios, condição conhecida como dominância estrogênica, aparecem sintomas desconfortáveis e o risco de certas doenças aumenta. Fadiga, irritabilidade, alterações imunológicas, disfunção da tireóide, aumento do risco de certos tipos de câncer, candidíase são questões frequentemente associadas ao aumento exagerado do estrogênio.

Como acontece?

A dominância estrogênica pode ocorrer devido a dois fatores principais:

dominancia.jpg

1) Redução na produção de outros hormônios nas mulheres - como a progesterona, a partir dos 35 anos, agravando-se na menopausa.

Estrogênio e progesterona são os principais hormônios sexuais produzidos pelas mulheres. A concentração dos dois declina naturalmente conforme a mulher envelhece. Dos trinta e cinco aos cinquenta anos de idade, há uma redução de 75% na produção de progesterona no organismo. Durante essa mesma faixa etária, o estrogênio cai apenas cerca de 35%. Aqui instala-se já a dominância estrogênica, muito comum na peri-menopausa.

2) Exposição a xenoestrógenos, substâncias que imitam o comportamento dos estrógenos. Isto pode acontecer em homens e mulheres, jovens, adultos e idosos.

Os xenoestrogênios estão presentes em muitos produtos industrializados - comidas, bebidas, produtos de beleza, produtos de limpeza. Outro problema é o hormônio artificial presente nas pílulas anticoncepcionais. Muitas mulheres passam a vida tomando pílulas para não engravidar, para controlar o fluxo menstrual, para tratar os ovários policísticos. A pílula aumenta a quantidade de estrogênio no corpo da mulher. Também suprime a produção de progesterona, causando mais desequilíbrios.

Consequências

Em relação à composição corporal, o estrogênio promove a divisão celular, o crescimento e o acúmulo de gordura, enquanto a progesterona estimula a queima de gordura e diminui a divisão celular. O estrogênio aumenta a retenção de sal e água, enquanto a progesterona atua como um diurético. O estrogênio elevado contribui para o crescimento de células de câncer de mama e endometrial, enquanto a progesterona diminui o crescimento de células cancerígenas.

Os xenoestrógenos ligam-se aos receptores de estrogênio desencadeando uma resposta exagerada. A principal preocupação também está no aumento da incidência de cânceres hormonais como os de mama e ovários nas mulheres e o de próstata nos homens.

xenoestrogen.jpg

Uma das maiores fontes de excesso de xenoestrógenos é a dieta moderna. Animais criados para abate são frequentemente injetados com grandes quantidades de hormônios de crescimento para fazê-los ganhar peso rapidamente ou para ter a produção de leite aumentada.

Estes hormônios chegam à carne e ao leite. Alimentos de origem vegetal também podem causar desregulação hormonal pois pesticidas, herbicidas e fungicidas encontrados nos produtos não orgânicos atuam como disruptores endócrinos, interferindo no nosso metabolismo.

A água também pode estar contaminada com medicamentos, hormônios, pesticidas e fertilizantes, estrogênios sintéticos e naturais do gado, além de produtos químicos industriais ou provenientes dos aterros sanitários. Fora isso, cosméticos, loções, xampus, sabonetes, cremes dentais e os inúmeros outros produtos corporais que usamos no dia-a-dia contêm parabenos, fenoxietanol, ftalatos e outros compostos com atividade estrogênica.

Outro fator a contribuir para o excesso de estrogênio é um intestino pouco saudável. A microbiota intestinal regula a absorção de estrogênio circulante usando a enzima beta-glucuronidase. Quando o seu microbioma está desequilibrado, esta enzima não consegue metabolizar adequadamente os estrogênios, aumentando sua absorção e o risco de câncer. Aprenda a tratar seu intestino em meu curso online sobre a disbiose intestinal.

Embalagens plásticas com bisfenol e ftalatos, encontrados em garrafas, embalagens de alimentos e potes para armazenamento de comida também podem liberar xenobióticos prejudiciais. Metais pesados como cádmio, chumbo e mercúrio também atuam como disruptores endócrinos e aumentam o estrogênio.

O que fazer?

O primeiro passo é cuidar da alimentação. Consuma menos produtos industrializados e mais produtos frescos. Prefira alimentos orgânicos, galinhas de granja, tome apenas água tratada, substitua os potes de plástico por potes de vidro, reduza o consumo de carnes e laticínios.

Tenha uma dieta variada que apoio os processos de eliminação de toxinas pelo fígado. Vitaminas do complexo B, aminoácidos, compostos fenólicos, vitaminas e minerais com função antioxidante, magnésio, glutationa, SAME, coenzima Q10, NAC são exemplos de compostos importantes para a destoxificação. Os mesmos também podem ser suplementados por nutricionista especialista na área.

Pratique yoga, faça atividade física, descanse e durma bem para reduzir o estresse. Quanto mais estressada tiver menor será a produção de progesterona. Com isso, a dominância estrogênica agrava-se, assim como seus sintomas adversos.

Se precisar, emagreça. Quanto maior é o acúmulo de gordura maior é a produção e o estoque de estrogênio. O ideal é consultar um nutricionista para adequar sua dieta. O mesmo saberá avaliar a necessidade de suplementação, indicará alimentos a incluir no cardápio (como vegetais crucíferos e sementes) para balancear seus hormônios e normalizar o funcionamento intestinal. Você encontra mais dicas em meus textos anteriores:

Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!
Tags ,