Tecido adiposo marrom e perda de gordura corporal

E se você pudesse desenvolver dentro de você um tecido especializado na queima de gordura? Seria ótimo, certo? E você pode! Este tecido chama-se gordura marrom. É um tipo de gordura comum nos bebês, depois o vamos perdendo, substituindo-o  pela gordura branca, associada à inflamação na obesidade e também ao aumento do risco de diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares e síndrome metabólica.

A proteína BM-7, responsável pelo crescimento ósseo, também poderia ajudar a promover o desenvolvimento do tecido adiposo marrom. Apesar do tecido adiposo marrom diminuir, podendo até desaparecer na fase adulta, seus precursores se mantém no corpo. Quando a proteína BMP-7 é introduzida em camundongos o resultado é um aumento do tecido adiposo marrom. Com isso, os animais ganham menos peso e acumulam menos gordura (Tseng et al., 2008).  

Em ratos os estudiosos também fazem o transplante de tecido adiposo marrom para acelerar o metabolismo. Talvez algum dia estes estudos contribuam para o desenvolvimento de técnicas que ajudem  pessoas com predisposição genética para a obesidade a emagrecerem. Mas, por enquanto, não vamos injetar BM-7 nem sugerir transplante de gordura para ninguém. Por outro lado, podemos ativar vias similares de produção do tecido adiposo marrom, modificando nossos hábitos. Na figura abaixo podemos visualizar o resultado da tomografia de 3 indivíduos. A imagem mais à esquerda é de uma pessoa magra. A imagem do meio de uma pessoa magra em ambiente frio e a imagem à esquerda de uma pessoa obesa.

2a9cdj7.jpg

O PET mostra maior quantidade de gordura marrom nas pessoas magras que vivem em ambientes frios. A pessoa obesa da direita, apesar de também estar submetida à baixa temperatura expressa menos gordura marrom e tem maior dificuldade de queima de gordura. Para dissipar energia na forma de calor o tecido precisa de UCP-1, proteína presente dentro da mitocôndria, organela encontrada em muito maior quantidade na gordura marrom, do que na gordura branca (Townsend & Tseng, 2015).

 O tecido marrom possui mais vasos, mais mitocôndrias, é mais escuro e mais ativo que o tecido adiposo branco.

O tecido marrom possui mais vasos, mais mitocôndrias, é mais escuro e mais ativo que o tecido adiposo branco.

Então, não fique muito agasalhado, quentinho e confortável se quiser perder peso. Um pouco de frio contribui para o aumento do tecido adiposo marrom, principalmente acima das clavículas e nas costas. Faça atividade física intensa para produzir mais irisina, hormônio produzido no tecido adiposo e que aumenta a quantidade de tecido adiposo marrom no corpo. A atividade física intensa também aumenta a folistatina que aumenta a expressão de UCP-1 no tecido adiposo. Pessoas que treinam a mais tempo mantem o peso mais facilmente ou tem maior facilidade de perder peso quando reduzem o consumo calórico, justamente por terem mais tecido adiposo marrom.

Quanto à alimentação inclua condimentos como pimenta, gengibre e açafrão no cardápio. Os mesmos possuem compostos capazes de melhorar o funcionamento mitocondrial e a queima de gordura. A epigalocatequina galato do chá verde e a catequina das cebolas e da casca da maçã possuem propriedades similares. A suplementação destas substâncias também pode ser feita caso a dieta seja pobre. Neste caso, converse com um nutricionista.

Não esqueça de compartilhar
Dra. Andreia Torres é Nutricionista, especialista em nutrição clínica, esportiva e funcional, mestre em nutrição humana, doutora em psicologia clínica e cultura, pós-doutora em saúde coletiva. Também possui formações no Brasil e nos Estados Unidos em Coaching e Yoga. Para contratar clique na aba consultoria no topo da página. Obrigada por visitar esta página!